Novo Coronavírus

Saúde Agência Europeia diz que benefícios da Oxford aumentam com idade

Agência Europeia diz que benefícios da Oxford aumentam com idade

Vacina da farmacêutica AstraZeneca , que é aplicada no Brasil, tem maior eficácia nos mais velhos e riscos de trombose são mínimos

  • Saúde | Da AFP

Vacina de Oxford tem efeitos melhores em pessoas mais velhas

Vacina de Oxford tem efeitos melhores em pessoas mais velhas

JOEL SAGET/AFP - 11.3.2021

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) afirmou nesta sexta-feira (23) que uma revisão da vacina Oxford, contra a covid-19, mostra que os benefícios aumentam com a idade e superam os riscos, mesmo que raros, de coágulos sanguíneos.

A Comissão Europeia havia solicitado à EMA a realização de um novo estudo sobre a vacina desenvolvida pelo laboratório anglo-sueco, após as preocupações de vários países europeus que decidiram limitar o seu uso a pessoas com mais de 60 ou 65 anos em consequência da detecção de casos de coágulos sanguíneos em pessoas vacinadas mais jovens.

O estudo "mostra que os benefícios da vacinação aumentam com a idade" e que "superam os riscos", disse o regulador europeu em um comunicado.

“Os benefícios da Oxford/AstraZeneca superam todos os riscos em adultos de todas as faixas etárias", acrescentou a EMA.

"O imunizante é eficaz para prevenir as hospitalizações, as internações em UTI e as mortes por covid-19", defendeu o regulador europeu.

"Os efeitos colaterais mais comuns geralmente são leves ou moderados e se curam em poucos dias", destacou.

Autoridades médicas em diferentes países suspeitam que os imunizantes da AstraZeneca e da Johnson & Johnson, baseados na mesma tecnologia, causam um tipo raro de coágulo sanguíneo.

Segundo a EMA, foram registrados 287 casos de coágulos no mundo, 142 deles no Espaço Econômico Europeu (UE, Islândia, Noruega e Liechtenstein), entre as milhões de pessoas que receberam a vacina do laboratório anglo-sueco.

Com a vacina Pfizer/BioNTech foram 25 coágulos, 8 com a da J&J e 5 com a da Moderna, segundo dados publicados na terça-feira pelo regulador europeu.

A EMA anunciou recentemente que esse problema deve ser registrado como um efeito colateral "muito raro" de ambas as vacinas.

Últimas