Coronavírus

Saúde Ainda não há estudos conclusivos sobre terceira dose, diz Anvisa

Ainda não há estudos conclusivos sobre terceira dose, diz Anvisa

Agência afirmou que, até o momento, dosagem atual das vacinas contra covid é eficaz até contra variantes do coronavírus

Contra variante Delta, Pfizer vai pedir uso da terceira dose nos EUA

Contra variante Delta, Pfizer vai pedir uso da terceira dose nos EUA

Chamila Karunarathne/EFE/EPA - 07.07.2021

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) afirmou nesta quarta-feira (14) que não há estudos conclusivos que apontem a necessidade de uma terceira dose ou dose de reforço das vacinas contra covid-19 autorizadas no Brasil. Com a chegada de novas variantes do novo coronavírus, como a Delta (indiana), a possibilidade é aventada para garantir maior eficácia dos imunizantes

Em comunicado, a agência esclareceu que já recebeu dois pedidos (da Pfizer e da Astrazeneca) sobre a questão, mas que a aprovação depende ainda dos resultados das pesquisas.

"A Anvisa vem acompanhando as discussões, as publicações e os dados apresentados sobre o surgimento de novas variantes do vírus Sars-CoV-2 e seu impacto na efetividade das vacinas. Até agora, todas as vacinas autorizadas no Brasil garantem proteção contra doença grave e morte", completou a Anvisa.   

O primeiro estudo sobre a possibilidade foi autorizado pela Anvisa no dia 18 de junho, a pedido  da Pfizer. Nos EUA, onde a pesquisa já foi conduzida, a farmacêutica informou que a dose extra cria níveis de anticorpos cinco a dez vezes maiores do que os adquiridos com apenas duas aplicações. 

O segundo relatório em andamento é o da AstraZeneca, que desenvolveu uma segunda versão da sua vacina contra a variante Beta (africana). 

Últimas