Saúde Anvisa fará reunião de submissão prévia sobre Covaxin nesta terça (9)

Anvisa fará reunião de submissão prévia sobre Covaxin nesta terça (9)

No encontro, serão apresentados dados e documentos que poderão viabilizar o posterior pedido de uso emergencial da vacina

A Covaxin é administrada em duas doses, com intervalo de quatro semanas

A Covaxin é administrada em duas doses, com intervalo de quatro semanas

RAJAT GUPTA/EFE/EPA - 18.2.2021

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou ter recebido, na tarde desta segunda-feira (8), pedido de reunião de submissão prévia com o laboratório indiano Bharat Biotech, responsável pela vacina Covaxin

De acordo com a Anvisa, a reunião de submissão prévia está prevista no Guia de Uso Emergencial. É uma reunião que deve ser feita antes da solicitação de uso emergencial de vacinas, quando se avaliam as condições da documentação para viabilizar o pedido.

A reunião de submissão prévia serve também para que a equipe técnica da Anvisa possa avaliar se já há dados suficientes para que o laboratório faço o pedido de uso emergencial do imunizante contra a covid-19.

Troca de informações

Na última quinta-feira (4), a Anvisa já havia participado de reunião com os representantes da Covaxin. contra a covid-19. Participaram do encontro o laboratório Bharat Biotech, a Precisa Farmacêutica, que representa a farmacêutica no Brasil, e o Instituto Albert Einstein, envolvido nos possíveis testes da vacina no país.

Leia também: Técnicos da Anvisa vão à Índia inspecionar fábrica da Covaxin

Segundo a agência, o objetivo do encontro foi a troca de informações sobre os estudos e dados que precisam ser apresentados, tanto para a autorização de estudos clínico no Brasil como para a realização de pedido de uso emergencial da vacina.

O Ministério da Saúde confirmou na quarta-feira (3) que assinou contrato com a Precisa Medicamentos para a compra de 20 milhões de doses, sendo que 8 milhões já devem estar à disposição da pasta ainda neste mês.

Duas doses

A vacina é considerada tradicional, assim como a CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e produzida pelo Instituto Butantan, em São Paulo. A Covaxin é feita a partir de vírus inativado. O vírus não consegue se replicar, mas sua presença no organismo faz com que o sistema imunológico reaja e crie defesa contra ele. É administrada em duas doses, com intervalo de quatro semanas.

Últimas