Saúde Anvisa libera oxigênio com pureza menor para conter crise no AM

Anvisa libera oxigênio com pureza menor para conter crise no AM

Fabricante havia pedido autorização à agência reguladora para poder aumentar capacidade de produção do gás

  • Saúde | Do R7

Amazonas vive colapso após aumento das hospitalizações por covid-19

Amazonas vive colapso após aumento das hospitalizações por covid-19

Bruno Kelly/Reuters

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) antedeu na quinta-feira (15) a um pedido da fabricante White Martins Gases Industriais do Norte Ltda. para produzir oxigênio hospitalar com um teor menor de pureza em meio ao desabastecimento do produto no estado do Amazonas.

A possibilidade de entregar oxigênio com 95%, ao invés de 99%, aumentará a capacidade da fábrica da White Martins em Manaus.

Com alta de mais de 100% das internações por covid-19 em duas semanas, a capital amazonense ficou sem oxigênio hospitalar nos últimos dias.

Há relatos de pacientes que morreram em hospitais na quinta-feira porque não havia oxigênio disponível.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, explicou no começo da semana que a necessidade de oxigênio no auge da crise, no ano passado, foi de 30 m³ por dia e que agora chegou a 70 m³/dia, ultrapassando a capacidade de fornecimento por parte da White Martins. 

Uma força-tarefa foi montada pelo governo, com ajuda das companhias áreas, para transportar cilindros de gás até a cidade.

A decisão da Anvisa vale pelo prazo de 180 dias, mas a produção do oxigênio a 99% deve retornar assim que a situação for normalizada.

A agência ainda determinou que "os profissionais e serviços de saúde sejam informados sobre a correta pureza do produto de cada cilindro (95% e não 99%). De acordo com a empresa responsável pela produção de oxigênio medicinal, a flexibilização do nível de pureza vai permitir o aumento da capacidade de fabricação".

Últimas