Novo Coronavírus

Saúde AstraZeneca pode retomar testes da vacina de Oxford semana que vem

AstraZeneca pode retomar testes da vacina de Oxford semana que vem

Testes foram suspensos após reação adversa grave em voluntário no Reino Unido; está sendo testada em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia 

  • Saúde | Do R7

Vacina de Oxford passa por testes no Brasil

Vacina de Oxford passa por testes no Brasil

Sean Elias / Divulgação via Reuters - 18.4.2020

Os testes da vacina de Oxford, interrompidos devido à suspeita de reação adversa grave em um volunário no Reino Unido, conforme divulgado na terça-feira (8), podem ser retomados no início da próxima semana, de acordo com fontes ouvidas pelo jornal britânico Financial Times.

O voluntário teria desenvolvido uma doença inflamatória rara chamada mielite transversa, inflamação que afeta a medula espinhal, bloqueando a transmissão dos impulsos nervosos, ainda de acordo com o jornal.

O caso está sendo investigado por um comitê independente das empresa AstraZeneca, desenvolvedora da vacina junto à Universidade de Oxford. O diretor-executivo da empresa, Pascal Soriot, afirmou nesta quarta-feira (9) que a suspensão dos testes é uma "pausa temporária".

A AstraZeneca seria uma das primeiras a entregar resultados do estudo clínico da vacina contra a covid-19. A vacina de Oxford é uma das apostas do Brasil para a imunização da população.

Está sendo testada em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia em 5 mil voluntários desde o dia 20 de junho. O laboratório Bio-Manguinhos, ligado à Fundação Oswaldo Cruz, deverá produzir a vacina no Brasil segundo acordo firmado pelo Ministério da Saúde. Caso seja aprovada, a previsão será de 30 milhões de doses entre dezembro e janeiro e 70 milhões no primeiro semestre de 2021.

Leia também: Suspensão de estudo não afeta voluntários já vacinados, diz Unifesp

A vacina é composta por adenovírus de chimpanzés, que causa o resfriado comum, enfraquecido, e fragmentos do novo coronavírus, para estimular o corpo a produzir anticorpos.

Últimas