Saúde “Bactéria que come carne” contribuiu para a morte de guitarrista; entenda a doença

“Bactéria que come carne” contribuiu para a morte de guitarrista; entenda a doença

Jeff Hanneman, da banda heavy metal Slayer, morreu nos Estados Unidos aos 49 anos

“Bactéria que come carne” contribuiu para a morte de guitarrista; entenda a doença

Braço do músico afetado pela bactéria que consome os tecidos moles do corpo causando decomposição

Braço do músico afetado pela bactéria que consome os tecidos moles do corpo causando decomposição

Kevin Winter/ Getty Images

Desde 2011, o guitarrista Jeff Hanneman, da banda heavy metal Slayer, estava em tratamento para se recuperar de uma doença rara chamada fasceíte necrotizante, conhecida popularmente como “bactéria que come carne”. Após ser mordido por uma aranha, o músico contraiu a doença que se espalha rapidamente e destrói o tecido mole do corpo, como pele e gordura.

De acordo com informações publicadas nesta sexta-feira (3) pelo jornal britânico The Guardian, o músico de 49 anos morreu de insuficiência hepática enquanto se recuperava da fasceíte necrotizante.

Bactéria que come carne humana quase mata tenista britânica

A maioria das pessoas com a doença, segundo o site do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), tem outros problemas de saúde que podem reduzir a capacidade de o organismo combater a infecção, como diabetes, problemas renais, câncer ou outras doenças crônicas que enfraquecem o sistema imunológico.

Superbactéria carnívora causa infecção rara em perna de britânico

Segundo o CDC, os sintomas da doença incluem dor — semelhante à de um "estiramento muscular" —, manchas vermelhas ou arroxeadas, inchaço, úlceras, bolhas, febre, calafrios, fadiga (cansaço) e vômitos. Por serem sintomas bem diversificados, a pessoa costuma demorar a procurar atendimento médico, o que atrasa o diagnóstico e o tratamento.

Corte vira doença devoradora e faz homem perder o braço

O tratamento, de acordo com informações do CDC, é feito com fortes antibióticos administrados na veia. Como nem sempre a medicação consegue chegar a todas as áreas infectadas e em decomposição, a remoção cirúrgica rápida do tecido morto pode ser crucial para interromper a infecção.