Saúde Banheiro, sala, garagem: escorpiões estão por todo canto na Brasilândia

Banheiro, sala, garagem: escorpiões estão por todo canto na Brasilândia

Moradores do bairro de São Paulo com maior número de ataques do animal tentam preservar a saúde capturando os bichos dentro de casa

escorpiões em são paulo

Dona Fracinete mostra o escorpião que encontrou na janela do banheiro

Dona Fracinete mostra o escorpião que encontrou na janela do banheiro

Edu Garcia/R7

Dona Fracinete dos Santos, 77, levou um susto quando foi fechar a janela do banheiro nesta quinta-feira (19). Tinha um escorpião entrando em casa. Ela conta que não foi a primeira vez, encontrar escorpiões em casa é comum.

“É a primeira vez que aparece um pequeno, normalmente eles são bem maiores”, diz a aposentada, segurando um pote de vidro vazio com o animal de cerca de 8 cm dentro.  

Ela conta que já colocou tela nos ralos da casa, na tentativa de se livrar dos bichos, mas não adiantou.

A casa da dona Fracinete fica na rua Alberto Andaló, no Parque São Luiz, a poucos metros de onde dona Izildinha Ferreira Martins, 60, vive com a família. Durante a faxina desta quinta-feira (19), ela também encontrou um escorpião. O bicho já estava dentro da casa, escondido atrás da estante, entre os fios da TV.

Dona Izildinha encontrou um escorpião nos fios do televisor

Dona Izildinha encontrou um escorpião nos fios do televisor

Edu Garcia/R7

O susto foi tão grande que ela e a filha, a professora Débora Martins, 37, foram comprar um tipo de ralo que fica fechado e só abre com o peso da água. “Foi difícil comprar, fomos em várias lojas e só encontramos pela internet. Esgotou porque está toda a vizinhança comprando”, afirma.

“A prefeitura vem, passa nas casas, abre as caixas de esgoto, tira um ou outro escorpião, mas não resolve nada. Eles voltam”, conta dona Izildinha.

As duas dizem que capricham na limpeza da casa e do quintal, não acumulam lixo nem entulhos para evitar escorpiões, mas lamentam que nem todos na região pensem assim. “O que adianta a gente limpar se tem gente que vem e deixa o lixo na frente de casa em dia que o caminhão que faz a coleta? Isso sem contar os terrenos baldios que ficam sujos”, diz ela.

Eliane mostra o último escorpião que encontrou, na escada de casa

Eliane mostra o último escorpião que encontrou, na escada de casa

Edu Garcia/R7

Problema que dona Eliane conhece bem. Ela preferiu não dar o nome completo, mas mostrou para a reportagem do R7 o último escorpião que encontrou na escada da casa. “Já peguei um monte, sempre guardo para mostrar para a equipe da prefeitura”.

O problema é antigo na região. De acordo com a prefeitura de São Paulo, os bairros da Brasilândia e da Freguesia do Ó (o parque São Luiz fica entre os dois bairros), somam 51 ataques de escorpião entre 2013 e este ano.

O bairro da Brasilândia é o que concentra o maior número de acidentes envolvendo escorpiões na capital: 44. Os moradores são unânimes em dizer que a maioria acontece na Rua Conde Barca, na divisa com o Parque São Luiz e a Freguesia do Ó.

Rosana encontrou escorpiões na garagem, no banheiro e na cozinha

Rosana encontrou escorpiões na garagem, no banheiro e na cozinha

Edu Garcia/R7

É lá que mora dona Rosana Ferreira Cândido, 75. Ela diz que já encontrou escorpiões “na garagem, no banheiro, na cozinha, em todo o canto”. Junto com ela vivem dois sobrinhos de 4 e 10 anos, por isso, a vigilância é constante. “Tenho medo que uma das crianças seja picada e a gente nem perceba que foi um escorpião”, diz a aposentada.

Mesmo com dedetização, os escorpiões voltaram a aparecer na casa de Lael

Mesmo com dedetização, os escorpiões voltaram a aparecer na casa de Lael

Edu Garcia/R7

O vizinho, Lael Gomes da Cruz, 29, se mudou para o bairro há pouco mais de um ano. Quando soube dos escorpiões, decidiu dedetizar a casa, mas ele diz que não adiantou. “Eles começaram a aparecer mesmo assim”, afirma.

A Prefeitura Regional Freguesia/ Brasilândia informou que fará uma vistoria esta semana nos locais apontados pela reportagem e programará uma nova ação de limpeza. Segundo nota enviada, a [prefeitura] "regional realiza ações constantes de zeladoria". 

Veneno não funciona

Os escorpiões são animais com hábitos noturnos, ou seja, durante o dia eles costumam ficar escondidos em lugares que possuam pelo menos um mínimo de umidade. Por isso costumam estar nas tubulações de esgoto, no meio de entulhos, cemitérios, troncos de árvores.

Como são predadores, saem durante a noite para encontrar comida, principalmente baratas, cupim e alguns tipos de aranha.

Eliminar os escorpiões não é tarefa fácil. De acordo com o biólogo Evanguedes Kalapothakis, do Departamento de Genética, Ecologia e Evolução da UFMG, dificilmente um inseticida vai ser capaz de exterminar os escorpiões. O especialista explica que esse tipo de aracnídeo percebe o veneno e “fica parado, esperando o efeito passar”.

"Eu não conheço nenhum veneno eficaz contra escorpiões. E ainda tem a dificuldade de jogar o inseticida diretamente no escorpião porque ele vive escondido, é difícil encontrá-lo".

Outra má notícia é que o escorpião pode ficar até 400 dias sem comida, desde que tenha uma fonte de umidade.

A melhor saída? De acordo com o biólogo é criar predadores. A galinha não é a melhor opção porque, diferentemente do escorpião, tem hábitos diurnos. O melhor são as lagartixas.

"Muitas pessoas não gostam quando aparece uma lagartixa dentro de casa, mas isso é uma coisa boa. A lagartixa é um predador natural não só do escorpião, mas também do mosquito da dengue e de vários tipos de aranha", diz o biólogo.

Veja na íntegra, a nota da Prefeitura de São Paulo:

A Prefeitura Regional Freguesia/ Brasilândia informa que fará uma vistoria esta semana nos locais apontados pela reportagem e programará uma nova ação de limpeza. A regional realiza ações constantes de zeladoria.

Na ocorrência de escorpiões, os agentes de saúde atuam com ações preventivas, orientando os moradores próximos das regiões afetadas. Além disso, é realizada a catação manual com auxílio de pinça longa e, em seguida, o animal é acondicionado em recipiente de boca larga e pequenos furos nas tampas.

As amostras são encaminhadas para a Divisão de Vigilância de Zoonoses (DVZ) e, após triagem, as espécimes vivas são encaminhadas para o Instituto Butantã para coleta de veneno para produção de soro antiescorpiônico. Segundo o Ministério da Saúde, não há um veneno eficiente para controle dos escorpiões e a indicação é que seja feito a catação manual e manejo ambiental.

Informações complementares:

— O que fazer para controlar a ocorrência de escorpiões?

As medidas de controle e manejo populacional de escorpiões baseiam-se na retirada/coleta dos escorpiões e modificação das condições do ambiente a fim de torná-lo desfavorável à ocorrência, permanência e proliferação destes animais.

Na área externa do domicílio:

• Manter limpos quintais e jardins, não acumular folhas secas e lixo domiciliar.

• Acondicionar lixo domiciliar em sacos plásticos ou outros recipientes apropriados e fechados, e entregá-los para o serviço de coleta. Não jogar lixo em terrenos baldios.

• Limpar terrenos baldios situados a cerca de dois metros (aceiro) das redondezas dos imóveis.

• Eliminar fontes de alimento para os escorpiões: baratas, aranhas, grilos e outros pequenos animais invertebrados.

• Evitar a formação de ambientes favoráveis ao abrigo de escorpiões, como obras de construção civil e terraplenagens que possam deixar entulho, superfícies sem revestimento, umidade etc.

• Remover periodicamente materiais de construção e lenha armazenados, evitando o acúmulo exagerado.

• Preservar os inimigos naturais dos escorpiões, especialmente aves de hábitos noturnos (corujas, joão-bobo, etc.), pequenos macacos, quati, lagartos, sapos e gansos (galinhas não são eficazes agentes controladores de escorpiões).

• Evitar queimadas em terrenos baldios, pois desalojam os escorpiões.

• Remover folhagens, arbustos e trepadeiras junto às paredes externas e muros.

• Manter fossas sépticas bem vedadas, para evitar a passagem de baratas e escorpiões.

• Rebocar paredes externas e muros para que não apresentem vãos ou frestas.

Na área interna:

• Rebocar paredes para que não apresentem vãos ou frestas.

• Vedar soleiras de portas com rolos de areia ou rodos de borracha.

• Reparar rodapés soltos e colocar telas nas janelas.

• Telar as aberturas dos ralos, pias ou tanques.

• Telar aberturas de ventilação de porões e manter assoalhos calafetados.

• Manter todos os pontos de energia e telefone devidamente vedados.

Observação: em áreas rurais, a preparação do solo para plantio pode promover o desalojamento de escorpiões de seu habitat natural (barranco, cupinzeiros, troncos de árvores abandonadas por longos períodos).

    Access log