Sarampo
Saúde Bebês de 6 a 11 meses estão entre os mais vulneráveis ao sarampo

Bebês de 6 a 11 meses estão entre os mais vulneráveis ao sarampo

Menino de 8 meses morreu na quinta-feira, no Rio de Janeiro, com um quadro de pneumonia desenvolvido após contrair o vírus

Bebês ainda não têm sistema imunológico desenvolvido

Bebês ainda não têm sistema imunológico desenvolvido

Flickr/Leni Suryani

O bebê de oito meses que morreu no Rio de Janeiro vítima do sarampo estava no grupo mais frequente de pessoas acometidas, que é entre 6 e 11 meses, de acordo com o Ministério da Saúde. O menino contraiu o vírus e desenvolveu uma pneumonia

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, explica que bebês de até 1 ano costumam ser as principais vítimas do vírus.

"A faixa etária mais acometida é a de menos de 1 ano de idade, porque a criança ainda não recebeu uma dose da vacina e espera-se anticorpos da mãe, mas muitas mulheres não têm atualização da vacina."

Como o Brasil está em uma situação de epidemia de sarampo, a primeira dose em bebês pode ser aplicada a partir dos 6 meses (antes não é recomendada).

"Essa dose, porém, não conta para o esquema de rotina: continuam a ser necessárias duas doses a partir dos 12 meses", salienta a Sociedade Brasileira de Imunologia.

Leia também: 2019: ano em que o sarampo voltou a assustar o Brasil

O secretário do Ministério da Saúde acrescenta que as mães não podem tomar a vacina durante a gestação, o que faz com que os bebês nasçam sem os anticorpos contra o vírus do sarampo.

"Nós não recomendamos a vacinação antes dos 6 meses de idade e a gestante não pode tomar a vacina, pois é feita com vírus vivo atenuado. Podemos ter casos em menores de 6 meses de idade, mas em frequência muito menor do que entre 6 e 11 meses de vida. É importante as mães evitem locais fechados e aglomerados com seus filhos, pois essas crianças ainda estão com seu sistema imunológico em formação."

O médico Jorge Kalil, coordenador do Instituto de Investigação em Imunologia, alerta para a necessidade de jovens e adultos estarem imunizados, justamente para evitar que pessoas que não podem tomar a vacina sejam infectadas.

"O adulto jovem circula muito e pode levar [o sarampo] para grupos de risco, até mesmo em casa. E é um grupo que é difícil chamar para as campanhas de vacinação."

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, reafirma que a vacinação de adultos é para poupar grupos de risco, como gestantes, idosos, bebês e pessoas com a saúde fragilizada.

"As pessoas dessa faixa etária [de 20 a 29 anos] precisam pensar naqueles que são mais suscetíveis às complicações da doença. Neste público, problema não é a gravidade, mas o fator de transmissão da doença”.

No ano passado, o Brasil registrou 18,2 mil casos de sarampo — 16 mil no estado de São Paulo. Foram 14 mortes em SP e uma em PE. 

Campanha

O governo federal relançou a campanha de vacinação contra o sarampo em todo o país. Neste sábado (15), postos de saúde vão abrir para imunizar crianças e jovens com idade entre 5 e 19 anos. 

De acordo com o Ministério da Saúde, 3 milhões de brasileiros nessa faixa etária não estão com as doses em dia. Na cidade de São Paulo, pessoas até 29 anos podem se vacinar.  

Casos de dengue, sarampo e sífilis crescem e viram desafio no Brasil: