Cães e gatos podem pegar coronavírus?

Caso de cachorro testado positivo para o novo coronavírus levantou dúvidas, mas não há evidências científicas de que seja possível infecção

Não existem evidências de que pets possam pegar coronavírus

Segundo especialista, usar máscara em animais de estimação não é eficaz

Segundo especialista, usar máscara em animais de estimação não é eficaz

EFE/EPA/ALEX PLAVEVSKI

A informação de que um cachorro testou positivo para o novo coronavírus (SARS-CoV2) em Hong Kong, deixou muitos donos de pets preocupados. Porém, veterinários acham pouco provável que animais domésticos contraiam o vírus sem que ele sofra uma mutação considerável. 

Segundo o comitê científico e de saúde única da WSAVA (Associação Mundial de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais) e a OMS (Organização Mundial da Saúde), não há evidências de que animais de estimação (cães e gatos), possam ser infectados pelo novo coronavírus ou transmitir a covid-19 (doença provocada pelo vírus).

A professora Helena Lage, da FZEA-USP (Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo), explica que os vírus pertencentes à família coronavírus, normalmente, são limitados quanto à espécie em que circulam.

Segundo ela, o novo coronavírus precisaria de uma adaptação proteica para se ligar à célula de um hospedeiro diferente.

A dona do cachorro em que foi detectado o vírus estava com covid-19. Mas não se sabe até o momento se o animal estava infectado ou se o vírus estava superficialmente nele. 

Helena acrescenta que a carga viral encontrada foi muito baixa e poderia nem ser capaz de causar uma infecção.

Segundo informações da emissora de TV norte-americana CNN, Sheila McClelland, fundadora da LAP (Lifelong Animal Protection Charity), escreveu uma carta às autoridades de Hong Kong informando que "as evidências atuais sugerem que os cães não correm mais risco de espalhar [coronavírus] do que objetos inanimados, como maçanetas".

Influenza

Segundo a professora da USP, um vírus que tem facilidade maior de infectar várias espécies de animais é o influenza.

Saiba mais: Não importa mais saber se é coronavírus ou não, diz secretário

"O influenza possui oito segmentos de RNA. O coronavírus possui só uma fita. Quando o influenza infecta uma célula e um segundo vírus infecta essa mesma célula, eles trocam esses segmentos. O vírus da pandemia de 2009 [H1N1] circulava em aves, suínos e humanos.”

A OMS recomenda higiene das mãos com sabão após o contato com animais, mas para proteção contra outras doenças como aquelas causadas pelas bactérias E. coli e Salmonella. 

Segundo Helena, não é necessário utilizar máscaras em animais. “Tudo indica que eles não são capazes de se infectar. Além disso, a máscara deve ser utilizada pela pessoa que está doente, para que ela espalhe menos partículas virais.”

Veja mais: Ministério da Saúde investiga 488 suspeitas de coronavírus no Brasil

Apesar da falta de evidências que comprove a contaminação de animais pelo novo coronavírus, o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA), recomenda que pessoas com covid-19 não fiquem perto de animais, até que mais informações sejam conhecidas sobre o vírus.

Aqueles que precisam cuidar de animais de estimação devem lavar as mãos antes e depois de interagir com o pet e usar máscara facial.

A maior preocupação em relação a animais e coronavírus é o aumento de animais abandonados. Sheila afirmou à CNN que esse aumento foi observado em Hong Kong.

Segundo ela, o maior risco é o de espalhar o medo. "Em estado de pânico, as pessoas poderiam abandonar ou matar seus animais de estimação."

*Estagiária do R7 sob supervisão de Fernando Mellis

Como se prevenir contra o coronavírus: