Campanha quer arrecadar R$ 10 mi para combate ao coronavírus no HC

#VemPraGuerra tem como objetivo fornecer dinheiro para a compra de materiais como máscaras, álcool gel e máquinas de raio-x

Campanha tem duração de 10 dias

Campanha tem duração de 10 dias

Reprodução/ Instagram

O HC (Hospital das Clínicas) da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) será um centro de referência no tratamento contra o novo coronavírus e, para conseguir atender a população, membros da sociedade civil, em parceria com Hospital, estão fazendo a campanha #VemPraGuerra para arrecadar R$ 10 milhões para compra de materiais de proteção, como máscaras e álcool gel.

Clique aqui para acessar a campanha

O objetivo é que o dinheiro seja utilizado durante dois meses. A campanha, com duração de 10 dias, foi lançada na plataforma Charidy às 16h de segunda-feira (23) e, até as 10h40 desta terça, já havia arrecadado cerca de R$ 720 mil. 

A coordenadora da campanha, Tatiane Menezes, afirma que atingir este valor em menos de 24 horas foi uma boa surpresa. "A gente desejava, mas não esperava. A nossa meta é muito ambiciosa e a expectativa era de que começasse mais lento e fosse crescendo gradativamente", conta. 

Todo o dinheiro será doado ao HC, mesmo que não consigam atingir a meta de R$ 10 milhões. Segundo a comunicação da campanha, o valor será destinado a uma conta específica da Fundação Faculdade de Medicina, uma das entidades responsáveis pelo financiamento do complexo HC. O dinheiro será gerenciado pelo Coordenador do Núcleo Econômico Financeiro do HC, que repassará a verba para o hospital. 

Menezes afirma que a iniciativa surgiu depois que dois residentes do HC perceberam que a situação da pandemia era mais grave do que o esperado no início e, a partir de então, começaram a entender as medidas do hospital para controlar a situação e, principalmente, o que ainda precisava ser feito. 

"Criou-se um grande grupo que começou a catalizar pessoas de todas as áreas", explica, contando que são 30 pessoas envolvidas no projeto. Menezes afirma que os materiais de proteção foram os itens escolhidos para a compra, porque são descartáveis e de uso obrigatório para conter a transmissão tanto para pacientes como para os profissionais que trabalham no HC.

Na segunda-feira (23), o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que o maior prédio do Hospital das Clínicas, em São Paulo (SP), será transformado em um centro exclusivo de atendimento a pacientes infectados pelo coronavírus. O novo espaço começa a funcionar nesta sexta-feira (27). 

A expectativa do hospital é que a demanda por este tipo de material cresça 400% durante a pandemia. Segundo as previsões da Diretoria e Gestão de Suprimentos do HC-FMUSP, em cenário normal, são utilizadas 5.700 máscaras N95, 135.000 máscaras cirúrgicas, 1.330 litros de álcool em gel, 15.000 aventais e 105.000 toucas por mês.

No cenário atual, são necessários, por mês, cerca de 40.000 máscaras N95, 670.000 máscaras cirúrgicas, 6.700 litros de álcool gel, 45.000 aventais e 211.000 toucas.

O dinheiro também será usado para a compra de três máquinas de Raio-X portáteis, sendo que cada uma delas custa, em média, R$ 770.000.

Além da doação em dinheiro, o grupo organizador já recebeu contato de empresas e pessoas da sociedade civil querendo ajudar com doações em produtos, por exemplo.