Carnaval: Saúde vai distribuir mais de 100 milhões de camisinhas

Ministério da Saúde lançou campanha de prevenção contra HIV e Aids nesta terça-feira (25)

Carnaval: Saúde vai distribuir mais de 100 milhões de camisinhas

Atualmente, 340 mil pessoas estão em tratamento contra DST/s e Aids em todo o País

Atualmente, 340 mil pessoas estão em tratamento contra DST/s e Aids em todo o País

Thinkstock

O Governo Federal informou que irá distribuir 104 milhões de preservativos para os foliões neste Carnaval. Essa primeira remessa deverá ser entregue até fim de março. A ação faz parte da campanha de prevenção às DST (doenças sexualmente transmissíveis) e Aids lançada pelo Ministério da Saúde na manhã desta terça-feira (25). Com o slogan “Se tem festa, festaço ou festinha, tem que ter camisinha”, o objetivo da mobilização é alertar para a prevenção nos momentos de diversão.

De acordo com o ministro Arthur Chioro, onde houver “aglomeração” haverá distribuição de camisinhas, além de cartilhas informativas. Além disso, os municípios serão responsáveis por oferecer testes rápidos gratuitos de detecção do HIV.

— O governo ainda lida com muito tabu. A intenção é naturalizar e facilitar o acesso de todas as faixas etárias. Se festar, tem que usar a camisinha. A ideia da campanha é mostrar que em qualquer circunstância, nas diferentes formas de comemoração social ou de vida, é necessário se preservar. Não há estigmas, mas é necessário trabalhar em conjunto da sociedade a ideia da prevenção. Sem perder a ideia da prevenção e diagnóstico precoce.

Novo 'coquetel' da Aids chega ao SUS em março

De acordo com Chioro, para “enfrentar o HIV, a Aids e as hepatites”, a população precisa “ter postura ativa de prevenção, de lidar com seu corpo, com sua vida, de maneira mais solidária”.  

HIV no Brasil

Atualmente, 340 mil pessoas estão em tratamento para DSTs e Aids em todo o País, segundo dados do governo. Cerca de 150 mil brasileiros são portadores do HIV e não sabem que têm o vírus.

Estamos mais próximos da vacina contra o HIV, diz pesquisador da USP

O secretário de Vigilância e Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, informou que o Sudeste é a região em que há mais casos de HIV.

—Mas vem em processo de redução. Em termos de prevalência, tem chamado atenção a região Sul. Estão sendo feitas ações inovadoras para buscar reduzir com mais velocidade.