Carro é alternativa para lazer e socialização segura na pandemia

Veículos deixaram de ser apenas meio de transporte e estão sendo usados para realizar outras atividades sem gerar aglomeração de pessoas

Carro pode parecer escudo contra a covid-19, mas ainda apresenta riscos

Carro pode parecer escudo contra a covid-19, mas ainda apresenta riscos

Divulgação

Com a reabertura gradual ocorrendo em diversas cidades do país, muitas pessoas seguem receosas com a possibilidade de se infectar com o novo coronavírus e buscam maneiras para aumentar a segurança ao sair nas ruas.

Neste cenário de pandemia, o carro tem se tornado um aliado e servindo para outras finalidades, além do transporte de um ponto a outro.

Os veículos agora são usados como poltrona de cinema, arquibancada de circo e até como cadeira para vacinação. Essa foi a maneira encontrada para continuar com algumas atividades de forma mais segura e sem gerar aglomeração.

"O carro está sanando três necessidades das pessoas: a de sair da clausura, a de ter diversão e a de socialização”, diz Katree Zuanazzi, psicóloga e diretora do Instituto Brilhar de Saúde Mental.

Veja também: Especialistas alertam para a coleta de dados por aplicativos de celular

A psicóloga explica que o ser humano, por ser biopsicossocial, necessita de interações sociais e da criação de vínculos com outras pessoas para viver bem.

“O carro está sendo usado para manter a sanidade mental de quem busca uma tranquilidade, uma calmaria, uma forma de se divertir e de ter momentos de lazer. Essa é uma forma de proporcionar encontros com outras pessoas mantendo a segurança contra o coronavírus”, completa a psicóloga.

Para o infectologista Fernando Bergel, o carro pode dar uma proteção por ser um local fechado onde a pessoa está sozinha ou acompanhada apenas da família, mas alerta que o veículo não pode ser considerado livre de vírus e bactérias.

Leia também: Covid-19 pode desencadear diabetes em pacientes, diz estudo

Bergel explica que o risco de contrair a covid-19 não existe só quando as pessoas estão próximas umas das outras ou em locais públicos. "Ao pagar a gasolina com cartão de crédito, digitar a senha, colocar as compras dentro do porta-malas, mexer no celular ou na própria chave do carro, você pode expor suas mãos ao vírus e contaminar superfícies do interior do seu veículo."

O infectologista orienta manter as práticas de higiene das mãos com água e sabão ou com álcool gel 70%, limpar as superfícies do veículo e evitar tocar o próprio rosto. Dessa forma, o carro pode, sim, servir como mais uma medida preventiva complementar, conclui.

Uma das novidades proporcionadas pelos carros é, na realidade, um velho conhecido. Os drive-ins, populares no fim dos anos 1950 e início dos anos 1960 retornaram graças à pandemia.

Os organizadores do Belas Artes Drive-in, em São Paulo, em parceria com o Memorial da América Latina, contaram com a orietação da área da saúde e do Centro de Contingência do Coronavírus para desenvolverm maneiras para que todas as regras de distanciamento, higiene, limpeza de ambientes, comunicação e monitoramento sejam seguidas sem prejudicar a experiência de ir ao cinema.

"Entre os cuidados obrigatórios, estão a distância mínima de 2 metro entre pessoas e carros em todos os ambientes, máximo de quatro ocupantes no carro, compra via internet e exigência do uso de máscaras", explicam os organizadores.

O que fazer nos acidentes com o computador durante o home office