China espera controlar epidemia de coronavírus até o final de abril

O chefe da equipe de médicos especialistas da Comissão Nacional de Saúde da China afirmou que o número de casos no país começou a diminuir

Chineses voltam a trabalhar após surto que matou quase 3 mil pessoas no país

Chineses voltam a trabalhar após surto que matou quase 3 mil pessoas no país

EFE/EPA/Wu Hong

O chefe da equipe de médicos especialistas da Comissão Nacional de Saúde da China, Zhong Nanshan, afirmou nesta quinta-feira (27) que seu país espera ter o surto do novo coronavírus sob controle até o final de abril.

"A China está confiante de ter o surto sob controle, em termos gerais, até o final de abril", disse o renomado pneumologista durante entrevista coletiva em Guangzhou. Ele acrescentou que "embora tenha havido um grande surto em Wuhan, ele não se espalhou maciçamente para outras cidades".

O médico afirmou que o número de casos na China começou a diminuir após o dia 15 deste mês: "Nós já dissemos que o pico deveria ocorrer em meados ou no final de fevereiro, devido à forte intervenção do Estado e aos cancelamentos de viagens após os feriados do ano novo chinês".

Até o momento, o número acumulado de mortes na China devido ao coronavírus é de 2.744 e o número de casos confirmados é de 78.497, de acordo com os últimos dados fornecidos pela comissão.

Do total de casos confirmados, 43.258 ainda estão ativos, 5% a menos que no dia anterior. No entanto, entre esses pacientes, 8.346 (19,3%) estão em estado grave. A boa notícia é que 32.495 pessoas já receberam alta após superar a doença, 9% a mais do que na última terça-feira (25).

Zhong afirmou que a China agora deve "melhorar a cooperação e compartilhar sua experiência com outros países", dado o rápido aumento de casos na Coreia do Sul, Itália e Irã.

Até o momento, as autoridades de saúde chinesas monitoraram mais de 652 mil pessoas que tiveram contato próximo com os infectados, dos quais mais de 71,5 mil ainda estão sob observação.

Na província de Hubei, o foco da epidemia, há 65.596 casos confirmados e 2.641 mortes registradas, entretanto, o número de altas médicas continua aumentando - 2.288 pacientes curados no último dia - totalizando 23,2 mil.