'Cloroquina não evita a doença', alerta Ministério da Saúde

Medicação, usada no combate à malária, vai ser produzida e distribuída em hospitais de todo o País para ser testada em pacientes em situação grave

Secretário de Vigilância em Saúde diz que cloroquina pode ter efeitos nocivos

Secretário de Vigilância em Saúde diz que cloroquina pode ter efeitos nocivos

Frederico Brasil / Estadão Conteúdo / 25.03.2020

O Ministério da Saúde fez um alerta nesta sexta-feira (27), sobre o uso do medicamento cloroquina no combate ao novo coronavírus. O remédio sumiu de muitas farmácias desde que o presidente Jair Bolsonaro passou a divulgar informações de que o País estaria no caminho de encontrar uma medicação de combate ao vírus.

Leia mais: Em 24 horas, Espanha registra 832 mortos por coronavírus

O secretário nacional de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, disse que o uso da cloroquina pela população pode, na realidade, ter efeitos nocivos sobre a saúde. "A cloroquina é um medicamento indicado em condições específicas, mas ele tem contraindicações. Pode ser tóxico em médio e longo prazo", afirmou à imprensa ontem.

"A cloroquina não é um medicamento para evitar a doença. Os estudos ainda estão sendo realizados. Estão seguindo um rito muito mais acelerado que o tradicional", disse o secretário.

Leia mais: Vacina para novo coronavírus deve demorar pelo menos 18 meses

A medicação, que é usada no combate à malária, vai ser produzida em larga escala e distribuída em hospitais de todo o País para ser testada em pacientes em situação grave. O Ministério da Saúde informou que serão liberadas 3,4 milhões para hospitais. Hoje, há 148 pessoas na UTI, em estado grave, com a covid-19.