Colômbia vive pior dia da pandemia, com 801 casos e 30 mortes

Com os números atuais, o país chegou a 19.131 notificações de contágio e a 682 vítimas do vírus. Até o momento, 4.575 pessoas foram curadas

Colômbia: pessoas com máscaras e luvas nas ruas

Colômbia: pessoas com máscaras e luvas nas ruas

Carlos Ortega / EFE - 11.5.2020

Em seu pior dia desde o primeiro caso confirmado de coronavírus no país, em 6 de março, a Colômbia atingiu nesta sexta-feira (22) um recorde diário de 801 novas infecções e 30 mortes por Covid-19, segundo o Ministério da Saúde.

Leia mais: Colômbia passa de 16 mil casos de coronavírus e tem quase 600 mortes

Com os números de hoje, o país chegou a 19.131 notificações de contágio e a 682 vítimas do vírus SARS-CoV-2, enquanto 144 novos pacientes se recuperaram, elevando o total de pessoas curadas para 4.575.

Dos novos casos, 280 estão em Bogotá, seguidos pelos departamentos de Atlántico (183), Valle del Cauca (166), Bolívar (45), Nariño (40), Antioquia (29), Magdalena (17) e Boyacá e Cundinamarca (8).

MORTES CONCENTRADAS.

Os óbitos relatados nesta sexta se concentraram em cinco regiões do país: oito ocorreram em Bogotá e o mesmo número no Vale do Cauca, cinco em Buenaventura e três em Cali, a capital.

Outras sete foram registradas no Atlântico (cinco em Barranquilla, uma em Soledad e uma em Sabanagrande); cinco em Bolívar, todas em Cartagena das Índias, e duas em Nariño, ambas em Tumaco.

Bogotá continua sendo o foco principal da Covid-19 na Colômbia com 6.591 registros, enquanto Atlántico (2.372), Valle del Cauca (2.209), Bolívar (1.840), Amazonas (1.386), Meta (966), Nariño (634), Antioquia (616), Magdalena (483), Cundinamarca (401), Risaralda (240) e Huila (231) também têm números altos.

Dos casos ainda ativos no país, 12.008 são de pacientes em recuperação em casa (90,83%), outros 1.037 estão em hospitais (7,84%) e 175, correspondendo a 1,32%, foram levados para unidades de terapia intensiva.

DESLOCAMENTO DE FUNCIONÁRIOS DA ÁREA DA SAÚDE PARA O AMAZONAS.

Um grupo de 22 profissionais da área da saúde viajou nesta sexta-feira para Leticia, capital do departamento do Amazonas, para reforçar o atendimento aos pacientes diagnosticados com coronavírus que são tratados no Hospital San Rafael. O centro médico vem sendo operado pelo governo devido à corrupção e está em crise devido ao alto número de infecções na região.

Os trabalhadores foram transportados em um avião F-28 Fokker da Força Aérea Colombiana (FAC) proveniente de Cali com a missão de ajudar a expandir a cobertura sanitária durante a pandemia na região fronteiriça com o Brasil e o Peru, os dois países com mais casos em toda a América Latina.

"Deve-se observar que antes e depois do transporte, o pessoal médico foi submetido a todos os protocolos de biossegurança estabelecidos pela instituição para o transporte de cargas e pessoal nos diversos voos humanitários realizados em todo o país", salientou a FAC em comunicado.

Colômbia e Brasil dividem uma fronteira de 1.644 quilômetros, sendo Leticia a único ponto de passagem do lado colombiano para Tabatinga, no estado do Amazonas, e também para a cidade peruana de Santa Rosa de Yavarí. EFE