Coronavírus

Saúde Com variante Delta, Brasil deveria reduzir intervalo entre doses? 

Com variante Delta, Brasil deveria reduzir intervalo entre doses? 

País adota esquema de 3 meses para AstraZeneca e Pfizer; parcela de brasileiros adultos que completaram imunização é de 17,7%

  • Saúde | Fernando Mellis, do R7

Brasil já aplicou 46,5 milhões de doses da AstraZeneca e 8,4 milhões de doses da Pfizer

Brasil já aplicou 46,5 milhões de doses da AstraZeneca e 8,4 milhões de doses da Pfizer

DIRCEU PORTUGAL/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO/CRIS MATTOS/O TEMPO/ESTADÃO CONTEÚDO

Diante do avanço da variante Delta do coronavírus, identificada originalmente na Índia, alguns locais no Reino Unido decidiram recentemente reduzir de 12 para 8 semanas — ou até menos — o intervalo entre as doses dos imunizantes contra covid-19 da AstraZeneca e da Pfizer/BioNTech.

A estratégia de 12 semanas adotada inicialmente pelo governo britânico — e de países como Canadá, França e Alemanha — também é seguida pelo Ministério da Saúde brasileiro.

Em junho, o NHS (Serviço Nacional de Saúde) da Irlanda do Norte determinou a redução do intervalo entre as doses da Pfizer e AstraZeneca para oito semanas, alegando que a alteração aceleraria o programa de vacinação e garantiria "que as pessoas em toda a Irlanda do Norte tenham a proteção mais forte possível contra variantes do vírus".

O diretor médico do órgão, Micheal McBride argumentou que seguiu "conselhos atualizados de especialistas independentes do Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização britânico "que consideraram as evidências mais recentes disponíveis sobre a variante Delta (B1.617.2)".

Em Londres, chegou a haver uma campanha chamada Grab a Jab (tome uma agulhada) para acelerar a conclusão do esquema vacinal.

Qualquer pessoa que tivesse recebido a primeira dose pelo menos 21 dias antes poderia tomar a segunda. A medida, no entanto, foi criticada pelo Serviço Nacional de Saúde do país.

Agora que começam a se confirmar mais casos da variante Delta, o Brasil deveria considerar seguir os passos do Reino Unido e encurtar o espaço para a segunda dose em indivíduos já vacinados com a primeira?

Na avaliação primeiro-secretário da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunologia), Renato Kfouri, ainda não é o momento.

"O Reino Unido pode fazer isso agora porque lá eles já têm um grande número de pessoas com a primeira dose", explica.

Segundo o governo britânico, 70% da população tomou ao menos a primeira injeção.

No caso da AstraZeneca, há indicação em bula para um intervalo entre 4 e 12 semanas para a aplicação da segunda dose.

Os estudos clínicos da vacina apontaram uma proteção mais elevada com um espaço de tempo de três meses.

Na vacina da Pfizer/BioNTech, todavia, a bula orienta a administração da segunda dose, "de preferência", após 21 dias.

A EMA (Agência Europeia de Medicamentos) sustenta que o intervalo entre as duas injeções não deve exceder 6 semanas.

Os fabricantes argumentam que "a segurança e a eficácia da vacina não foram avaliadas em esquemas de dosagem diferentes".

Mesmo sem consenso, especialistas sustentam que esse uso com intervalo maior da vacina da Pfizer pode ter vantagens, não do ponto de vista individual, mas coletivo.

Embora recomende a administração da segunda dose entre 21 e 28 dias, a OMS (Organização Mundial da Saúde) admite um "alto impacto na saúde pública" quando adotados intervalos maiores.

Segundo a entidade, em países com alta transmissão da covid-19 e baixo suprimento de vacinas, é possível considerar o adiamento da segunda dose da Pfizer em até 12 semanas para alcançar uma cobertura maior.

"Sabemos que vacinar apenas metade de uma população vulnerável levará a um aumento notável nos casos de covid-19, com tudo o que isso acarreta, incluindo mortes. Quando os recursos de doses e pessoas para vacinar são limitados, vacinar mais pessoas com potencialmente menos eficácia é comprovadamente melhor do que uma eficácia completa em apenas metade", afirmou o professor de farmacoepidemiologia da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres Stephen Evans ao periódico científico BMJ.

Kfouri acrescenta que todas eventuais mudanças no esquema de vacinação estão sendo avaliadas por especialistas e pelo próprio Ministério da Saúde.

Ele admite, inclusive, a possibilidade de encurtar o espaço entre as doses se em setembro houver um grande percentual de indivíduos com a primeira dose.

O mês foi estabelecido pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para que todos os brasileiros acima de 18 anos tenham tomado ao menos uma vacina contra a covid-19.

Até terça-feira (6), 17,7% da população acima de 18 anos havia completado o esquema vacinal. Outros 50% tomaram a primeira dose.

No atual cenário, 52 milhões de brasileiros ainda precisam tomar a segunda dose. Outros 51 milhões de indivíduos não tomaram uma dose sequer.

O R7 questionou o Ministério da Saúde se há planejamento de alterar o intervalo entre doses das vacinas e respondeu apenas o seguinte:

"O Ministério da Saúde esclarece que o intervalo entre doses para a vacina covid-19 AstraZeneca/Oxford/Fiocruz permanece, no momento, a mesma disposta em bula e orientada pelo fabricante, de 12 semanas. Esse é o mesmo período que a pasta orienta para vacina da Pfizer/BioNTech. Já para a vacina do Butantan, o intervalo entre as doses permanece em até quatro semanas. A vacina da Janssen é a única aplicada em dose única."

Últimas