Novo Coronavírus

Saúde Comissão de Ética em Pesquisa: estudo da CoronaVac deve seguir

Comissão de Ética em Pesquisa: estudo da CoronaVac deve seguir

Órgão ligado ao Conselho Nacional de Saúde se posicionou após Anvisa suspender estudo clínico por morte de voluntário que se suicidou

  • Saúde | Do R7

Vacina é desenvolvida pela Sinovac e pelo Butantan

Vacina é desenvolvida pela Sinovac e pelo Butantan

Cadu Rolim /Fotoarena/Folhapress

Órgão responsável por emitir pareceres sobre projetos de pesquisas clínicas no Brasil, a Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa) divulgou nota nesta terça-feira (10) em que defende a continuidade dos estudos com a candidata a vacina contra a covid-19 CoronaVac.

Os testes foram suspensos ontem pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) após o Instituto Butantan, codesenvolvedor do imunizante, notificar a agência sobre um "evento adverso grave" envolvendo um dos voluntários.

No entanto, o episódio foi o suicídio de um dos voluntários, que, embora tenha de ser notificado, não tem relação com o estudo, segundo o Butantan.

“Entendemos que o óbito do voluntário não estava relacionado à aplicação da vacina, por isso optamos por não suspender os ensaios e recomendamos que os pesquisadores nos trouxessem apenas a avaliação final de seu comitê independente”, informou o coordenador da Conep, o médico Jorge Venâncio.

Em entrevista mais cedo, o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, disse que a decisão foi tomada por um órgão colegiado da agência com base nas informações técnicas fornecidas pelo próprios Instituto Butantan. Ele disse que o desenvolvedor não informou que se tratava de um suicídio.

A paralisação dos testes da CoronaVac criou ainda mais tensão entre o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que tripudiou em cima da decisão da Anvisa.

Em resposta a um seguidor, o presidente disse: “Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Doria queria obrigar a todos os paulistanos a tomá-la. O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”.

Barra Torres pediu que as decisões da Anvisa não sejam usadas politicamente, e ressaltou que a paralisação dos estudos já ocorreu em outras duas vacinas testadas em voluntários brasileiros: Oxford/AstraZeneca e Janssen.

Saiba mais sobre a vacina CoronaVac:

Últimas