Saúde Como é possível que um bebê nasça com anticorpos da covid-19

Como é possível que um bebê nasça com anticorpos da covid-19

Transmissão de anticorpos da mãe para o recém-nascido pode acontecer pela placenta e amamentação, explicam especialistas

  • Saúde | Brenda Marques, do R7

Bebês recebem anticorpos pela placenta e leite materno

Bebês recebem anticorpos pela placenta e leite materno

Pixabay

Um bebê nasceu com anticorpos para a covid-19 na Espanha no final de outubro. A mãe teve o diagnóstico positivo para o coronavírus ao dar entrada no hospital e fazer o exame RT-PCR. O mesmo aconteceu com o recém-nascido. Mas, 48 horas depois, o exame foi repetido e deu negativo. Já o teste sorológico, que detecta anticorpos, deu positivo. A possibilidade mais cogitada é que as moléculas de defesa detectadas foram transmitidas da mãe para a criança.

"A gente sabe que todas as crianças recebem passivamente os anticorpos da mãe. Acredito que não foi anticorpo propriamente produzido pelo bebê", afirma a infectopediatra Andrea Mansinho, da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Leia também: Quase 80% das grávidas que morreram com covid são brasileiras

Por sua vez, o pediatra e neonatologista Nelson Douglas Ejzenbaum, membro da Academia Americana de Pediatria, levanta a hipótese de que o bebê tenha sido infectado pelo coronavírus dentro do útero e desenvolvido anticorpos contra o invasor.

Andrea não descarta essa alternativa, mas destaca que as moléculas produzidas pelo recém-nascido dificilmente são identificadas em exames. "Com certeza tem mais anticorpos da mãe do que do bebê, ele tem mais dificuldade de produzir anticorpos em um nível detectável, porque seu sistema de defesa ainda é muito frágil", pondera. 

Leia também: Grávida deve fazer pré-natal mesmo durante pandemia. Veja o que muda

A médica explica que tanto os anticorpos quanto a infecção pelo coronavírus podem ter sido transmitidos pela placenta, orgão que tem como função nutrir o feto. "Tudo que circula no sangue [da grávida] vai chegar na placenta, que tem um fluxo sanguíneo muito alto, e ser recebido pelo bebê, por meio do cordão umbilical", detalha.

Ela acrescenta que a amamentação também é uma via para a passagem de anticorpos. "Depois que nasce, ele pode ganhar mais anticorpos pelo leite materno, e isso é muito benéfico. Nos primeiros 6 meses, a criança tem uma grande quantidade de anticorpos vindos da mãe, que parmanecem por até um ano no organismo", esclarece.

Por outro lado, tanto Andrea como Ejzenbaum enfatizam que não existem evidências científicas sobre a transmissão do coronavírus pelo leite materno. "Então, a recomendação é que a mãe, mesmo estando infectada, amamente, mas use máscara e higienize as mãos antes de pegar o bebê", conclui a infectopediatra da BP.

Últimas