Coreia do Sul chega a 893 casos de coronavírus, mas descarta bloqueio

Governo planeja quarentena rigorosa para conter avanço da doença. Região de Daegu é a mais afetada

Profissional de saúde monta tenda para isolamento de pacientes com coronavírus em Daegu

Profissional de saúde monta tenda para isolamento de pacientes com coronavírus em Daegu

Yonhap / EFE-EPA - 23.2.2020

A Coreia do Sul relatou nesta terça-feira (horário local) 60 novos casos de coronavírus, elevando o número total de infecções para 893, enquanto o partido governista disse que medidas rigorosas de quarentena estão sendo planejadas em torno da principal fonte de infecção do país, ao mesmo tempo em que descartou um bloqueio.

O Centro Coreano de Controle e Prevenção de Doenças (KCDC) registrou hoje 60 novos casos de coronavírus, 49 deles em Daegu e nos arredores da província de Gyeongsang do Norte. A região tem 5 milhões de pessoas e responde por cerca de 80% das contaminações do país.

O porta-voz do Partido Democrata (DP), Hong Ik-pyo, disse, segundo a agência de notícias "Yonhap", que medidas de contenção para a região estão sendo consideradas e serão anunciadas ainda nesta terça.

Leia mais: Brasil vai monitorar passageiros vindos da Itália, França e Alemanha

O DP enviou uma mensagem de texto aos repórteres normalmente responsáveis pela cobertura das notícias da legenda detalhando que o plano é reforçar as medidas de quarentena, e não impor o isolamento, como foi feito em Wuhan, província chinesa onde o vírus teve origem, ou em regiões da Itália.

Há dois surtos amplamente identificados em Daegu e Gyeongsang do Norte, a sede da seita cristã Shincheonji e o Hospital Daenam, no Condado de Cheongdo, no qual seis dos oito mortos por Covid-19 até hoje na Coreia do Sul foram internados.

As autoridades acreditam que seguidores de cultos possam ter acidentalmente espalhado o vírus no hospital. A Shincheonji se comprometeu a fornecer ao governo uma lista de todos os seus fiéis na Coreia do Sul, que podem chegar a 200 mil, e o governo divulgou que planeja examinar todos os seguidores, entre os quais já existem cerca de 460 infectados.

Dos outros 11 casos relatados hoje, cinco estão na província de Gyeonggi, que circunda a capital Seul, onde também foram relatados dois outros casos. Além disso, Busan, a segunda cidade mais populosa do país, relatou três novos casos.

O KCDC informou que está colocando em quarentena e examinado 13.273 pessoas em todo o país.