Coreia do Sul já registra 1.146 casos de coronavírus confirmados

O país passou a receber maiores restrições de viagem por parte de outros países como Estados Unidos, França, Taiwan e Hong Kong

Equipes trabalham na desinfecção nas ruas da Coreia do Sul

Equipes trabalham na desinfecção nas ruas da Coreia do Sul

EFE/EPA/JEON HEON-KYUN

A Coreia do Sul anunciou nesta quarta-feira (hora local) 169 novos casos de coronavírus, elevando o número total de infecções para 1.146, a maioria deles em torno da cidade de Daegu, no sudeste do país. De acordo com a Yonhap, 13 pessoas morreram devido a doença no país.

Leia mais: Coronavírus fecha fronteiras e muda hábitos pelo mundo

Dos 169 novos registros, 153 estão em Daegu, a 230 quilômetros de Seul, e arredores da província de Gyeongsang do Norte, onde a seita religiosa Shincheonji tem sido o principal foco de infecção, segundo o Centro Coreano para Controle e Prevenção de Doenças (KCDC).

Há também mais dez novas transmissões no sudeste do país, com oito em Busan, a segunda maior cidade da Coreia do Sul, e duas na província de Gyeongsang do Sul, enquanto em torno da área noroeste da capital, quatro foram relatadas em Seul, uma no município de Incheon, e uma na província de Gyeonggi.

Viagens ao exterior

O governo dos Estados Unidos e de Taiwan recomendaram que turistas deixem de fazer viagens não essenciais a Coreia do Sul. A França elevou os níveis de alerta de verde para o laranja. 

Hong Kong foi o mais recente de 23 países e regiões que proibiram ou restringiram seus processos de quarentena para coreanos e estrangeiros com um registro de visitas à Coréia do Sul nas últimas duas semanas.