Coronavírus: universidade nos EUA recebe R$ 14 mi para criar vacina

Pesquisadores da Universidade de Montana receberão um financiamento público por dois anos para avançar no projeto

Pesquisadores dos EUA trabalham em vacina contra a covid-19

Pesquisadores dos EUA trabalham em vacina contra a covid-19

Reprodução/Só Notícia Boa

Pesquisadores do Centro de Medicina Translacional da Universidade de Montana, nos Estados Unidos, receberam um financiamento de 2,5 milhões de dólares - cerca de R$ 14 milhões - dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH, em inglês) para criar uma vacina contra a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Eles receberão esse valor ao longo de dois anos. Jay Evans, diretor do centro e professor de pesquisa na Divisão de Ciências Biológicas da Universidade de Montana coordena os trabalhos em busca da vacina.

"Quando o NIH telefonou em fevereiro para propor o desenvolvimento de uma vacina contra o SARS-CoV-2, rapidamente ajustamos nossos projetos para concentrar esforços nessa necessidade urgente", conta ele.

Leia também: Cientistas buscam cura da covid-19 com terapia usada contra câncer

Evans e sua equipe fizeram uma parceria com Florian Krammer e Adolfo García-Sastre, da Escola de Medicina de Icahn, no Monte Sinai, na cidade de Nova York, para ajudar na empreitada.

Os pesquisadores da Universidade de Montana têm reconhecimento mundial pela criação e o aprimoramento de vacinas oara doenças como gripe, tuberculose e coqueluche. Neste ano, a equipe passou a contar com 40 colaboradores, entre estudantes, funcionários e professores.

Leia também: Conheça as mulheres que pesquisam genoma do coronavírus

Stephanie Lathrop, imunologista da universidade e líder do projeto que busca uma vacina para a covid-19 tem sido fundamental para a elaboração de estudos e a coordenação dos horários da equipe em meio à pandemia.

Os pesquisadores trabalham em horários alternativos, adotaram equipamentos de proteção individual e reuniões por videoconferência para garantir a segurança dos funcionários e de suas famílias.

Leia também: Estudo vê ‘espinhos’ no coronavírus e pode ajudar a barrar contágio

A equipe trabalha há mais de 20 anos para melhorar vacinas com o uso de adjuvantes - componentes adicionados para aprimorar a resposta imune do organismo - e mecanismos para atingor as células certas. Agora, essas tecnologias estão sendo usadas para tentar encontrar uma prevenção à covid-19.

"Nossa equipe já começou a testar uma ampla variedade de adjuvantes de vacina com os antígenos da covid-19", diz Burkhart, pesquisador e diretor associado do Centro para Medicina Translacional. "Usaremos esses dados para avançar com testes clínicos em humanos o mais rápido possível, de maneira segura", acrescenta.