Empresários mineiros investem na confecção e doação de máscaras

Em parceria com o Inatel, Instituto Nacional de Telecomunicações, já foram entregues 100 unidades de protetores faciais aos profissionais de saúde

Protetores faciais para profissionais de saúde

Protetores faciais para profissionais de saúde

Divulgação

O Brasil está na luta contra o Coronavírus (COVID – 19) e a região do Vale da Eletrônica, em Minas Gerais, está dando exemplo de criatividade, colaboração e uso da tecnologia a favor de boas causas.

Os empresários e instituições de ensino e pesquisa tecnológica locais estão mobilizados para a produção de protetores faciais para os profissionais de saúde desde março.

Em uma primeira etapa, um pequeno grupo de organizações privadas, em parceria com o Inatel, Instituto Nacional de Telecomunicações (Fab Lab Inatel), reuniu esforços para desenvolver um protótipo de máscara de proteção para profissionais de saúde da unidade hospitalar de Santa Rita do Sapucaí, MG.

Foram entregues 100 unidades de protetores faciais aos profissionais da localidade em meados do mês de março. Desde que a ideia surgiu, o processo colaborativo vem se reestruturando para dar conta da demanda e da velocidade imposta pela pandemia. “Começamos com um protótipo em impressora 3 D, mas percebemos que haveria maior escalabilidade se realizássemos a produção em corte a lazer, utilizando como material o acrílico. Ganhamos agilidade e escala”, esclarece Marlos Vilela, CEO da Leucotron Telecom, um dos idealizadores da iniciativa.

Foi assim que o coletivo envolvido no projeto denominado “Produção Solidária de Protetores Faciais” atingiu êxito na primeira etapa do processo. Mas a mobilização não parou por aí. Outras empresas foram se aliando à causa (Unimed Sul Mineira, Leucotron, AGT, Citrox, Exsto, Pinte e Borde, Tampografia JK, Think e Usivale) e, essa semana, estão sendo entregues mais duas mil máscaras.
 

Empresários se uniram para produzir e doar máscaras

Empresários se uniram para produzir e doar máscaras

Divulgação

“Essa segunda etapa é fruto da otimização do processo e também da parceria com novas empresas, como a Unimed Sul Mineira, que generosamente nos doou material para que déssemos sequência a nossa operação. Também substituímos o acrílico, usado nas primeiras unidades por Petg, pois é uma opção menos dispendiosa e tão segura quanto a matéria-prima anterior”, explica o executivo.

As duas mil unidades desta segunda etapa já começaram ser entregues. Na quinta-feira (9), foram distribuídas mais 500 protetores e os demais seguirão na próxima semana para hospitais da região. Para que essa iniciativa não pare, os voluntários estão em busca de apoiadores que possam contribuir com o projeto, especialmente com o material necessário para a produção: Petg de 0,5 ou 0,75 mm de espessura – chapas de 2X1 metros.

“Nosso objetivo é ampliar essa corrente colaborativa e continuar enviando protetores faciais para outros municípios e, assim, beneficiar mais profissionais de saúde que estão à frente do combate à pandemia. Para isso, vamos precisar de mais incentivadores, numa corrente colaborativa. São as coisas boas que as crises nos ensinam: união, espírito colaborativo e solidário.” Quem quiser doar material ou integrar a iniciativa pode entrar em contato com ane@amaradei.com.br para obter mais informações.