Coronavírus

Coronavírus Ocupação de leitos de UTI para covid entra em fase de alerta em BH

Ocupação de leitos de UTI para covid entra em fase de alerta em BH

Após quase três meses, indicador volta à fase amarela, com mais de 50% dos leitos ocupados; prefeitura anunciou medidas de restrição

Taxa de ocupação de leitos sobe em BH

Taxa de ocupação de leitos sobe em BH

Reprodução

Após quase três meses, a taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para covid-19 nas redes particular e privada de Belo Horizonte voltou à "fase amarela". De acordo com boletim epidemiológico divulgado pela prefeitura nesta sexta-feira (4), o indicador superou a marca dos 50%. 

Conforme o boletim, a taxa de ocupação de leitos de terapia intensiva passou de 45,7% para 50,6% em apenas 24 horas. Já a ocupação dos leitos de enfermaria também vem em alta, e passou de 45,5 para 47,9%, próximo de entrar na fase amarela.

Para determinar decisões de abertura ou fechamento de atividades econômicas em Belo Horizonte, a prefeitura utiliza três indicadores. Além das taxas de ocupação de leitos de UTI e enfermaria, o Executivo monitora a taxa de transmissão da doença (Rt). 

Este último indicador fechou a sexta-feira em 1,06, também na fase amarela, e indica expansão da transmissão do coronavírus na capital mineira. O índice significa que, cada grupo de 100 pessoas contaminadas transmite o vírus para outras 106 pessoas.

Restrições

A Prefeitura de Belo Horizonte determinou uma série de restrições a atividades a partir da próxima semana, considerando o avanço dos casos de covid-19 na capital mineira.

Em decreto, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) proibiu bares, restaurantes, padarias, lanchonetes e feiras de vender bebidas alcoólicas para consumo no local, a partir desta segunda-feira (7).

Outra proibição foi com relação à realização de eventos gastronômicos, espetáculos e shows, permitidos desde outubro na capital mineira. Até mesmo os licenciamentos para festas de réveillon estão suspensos.

Últimas