Novo Coronavírus

Saúde Covid-19: entenda o plano nacional de vacinação ponto a ponto

Covid-19: entenda o plano nacional de vacinação ponto a ponto

Brasil possui negociações para garantir 350 milhões de doses de vacinas; vacinação de toda a população deve ocorrer em 16 meses

  • Saúde | Do R7

Ao todo, 13 vacinas poderão ser aplicadas no país, segundo o Ministério da Saúde

Ao todo, 13 vacinas poderão ser aplicadas no país, segundo o Ministério da Saúde

Dado Ruvic/Reuters - 30.10.2020

O Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a covid-19, lançado nesta quarta-feira (16) pelo Ministério da Sáude, tem a previsão de imunizar 51,4 milhões de pessoas no primeiro semestre de 2021. A previsão é que toda a população brasileira seja imunizada em 16 meses - os quatro meses primeiros meses os grupos prioritários e outros 12 para a "população em geral".

Segundo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o início da vacinação ocorrerá cinco dias após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovar um imunizante. "O cronograma [de distribuição e imunização] depende de registro. Temos mais de 300 milhões de doses já negociadas", afirmou. 

Leia também: Oxford e CoronaVac podem estar disponíveis em fevereiro

Grupos prioritários

Fazem parte dos grupos prioritários à vacinação aqueles considerados mais vulneráveis à doença além de trabalhadores de serviços considerados essenciais:

- Profissionais de saúde

- Pessoas de 60 anos ou mais institucionalizadas

- População idosa (60 anos ou mais)

- Pessoas com comorbidades

- Pessoas com deficiência permanente severa

- Indígenas

- Comunidades tradicionais ribeirinhas e quilombolas

- Trabalhadores do transporte coletivo

- Pessoas em situação de rua

- População privada de liberdade

- Funcionários do sistema prisional

- Professores do nível básico ao superior

- Profissionais de forças de segurança e salvamento

- Transportadores rodoviários de carga

Três fases iniciais

undefined

 A vacinação dos grupos prioritários será feita em três fases.

Na primeira fase, serão imunizados:

- Idosos a partir dos 75 anos

- Profissionais de saúde

- Idosos com 60 anos ou mais que vivam em instituições

- Indígenas

- Quilombolas e comunidades tradicionais ribeirinhas

Na segunda fase, o grupo é integrado por:

- Idosos entre 60 e 74 anos

Já a terceira fase inclui:

- Pessoas com comorbidades, como por exemplo diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares

- Pessoas com deficiência permanente severa

Os outros grupos prioritários "serão contemplados na continuidade das fases, conforme aprovação, disponibilidade e cronograma de entregas das doses a serem adquiridas", afirma o Ministério da Saúde.

Leia também: Pazuello: assinatura de termo só será exigida em vacina emergencial

Vacinas

O documento do plano de imunização informa que "o Brasil possui negociações em andamento, que totalizam, conforme cronogramas já disponíveis, em torno de 350 milhões de doses de vacinas para a covid-19".

“Todas as vacinas produzidas no Brasil, ou pelo Butantan, pela Fiocruz ou qualquer indústria, terão prioridade do SUS e isso está pacificado", disse Pazuello durante o lançamento do plano.

Nessas primeiras três fases, o governo afirma que planeja usar a vacina de Oxford, desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. Assim que aprovado, o imunizante será produzido pela Bio-Manguinhos, laboratório da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), no Rio de Janeiro.

Segundo descrito no plano, a estimativa é que serão necessárias 104 milhões de doses do imunizante para atender os grupos incluídos nessas 3 fases iniciais.

O governo federal deve receber 100 milhões de doses da vacina de Oxford até julho de 2021, conforme um acordo prévio. Para o segundo semestre, estão previstas 160 milhões de doses produzidas pela Fiocruz.

O Brasil também receberá 42,5 milhões de doses de vacina contra a covid-19 por meio da Covax, aliança global para distribuição de imunizantes contra a doença coordenado pela OMS (Organização Mundial de Saúde), determinada de acordo com a aprovação para uso.

Leia também: Bolsonaro defende união nacional por vacinação contra a covid

Ainda segundo o texto do plano, foram firmados "memorandos de entendimento, que expõem a intenção de acordo" e podem sofrer alterações para a aquisição de seis vacinas: Pfizer/BioNTech, Janssen, Instituto Butantan, Bharat Biotech, Moderna, Gamaleya.

As negociações com as duas primeiras candidatas são as mais avançadas. A previsão é que sejam adquiridas 70 milhões de doses da vacina desenvolvida pela Pfizer com a BioNtech e 38 milhões de doses do imunizante da Jassen ao longo de 2021.

Distribuição de vacinas

Segundo o Ministério da Saúde, a logística de distribuição das vacinas será realizada via transporte aéreo e rodoviário.

A pasta informa que dispõe de uma frota de 100 veículos com baús refrigerados e mais 50 deles estarão disponíveis até o final de 2021.

“O Governo Federal distribui até o estado, o estado vai fazer a distribuição aos municípios junto com o Ministerio da Defesa, que fará a segurança desse trabalho. A partir daí, os municípios executam o plano de vacinação”, explicou Pazuello.

Últimas