Novo Coronavírus

Saúde Covid-19: pacientes sem sintomas podem sair da quarentena nos EUA

Covid-19: pacientes sem sintomas podem sair da quarentena nos EUA

Baseado em estudos, CDC divulgou que quem teve a doença não precisa testar negativo para encerrar isolamento; basta não ter sintomas após 10 dias

  • Saúde | Caio Sandin, do R7

Medida deve reduzir sobrecarga nas unidades de testagem do país, segundo CDC

Medida deve reduzir sobrecarga nas unidades de testagem do país, segundo CDC

Justin Lane / EFE - EPA - 4.5.2020

Pacientes diagnosticados com covid-19 não terão mais que testar negativo para a doença para sair da quarentena nos Estados Unidos. A partir desta semana, a recomendação é que eles estão liberados caso dez dias após os primeiros sintomas não estejam mais sentido falta de ar e diarreia, por exemplo, e febre nas últimas 24 horas.

A medida é baseada em estudos analisados pelo CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) do governo dos Estados Unidos. De acordo com o órgão, a medida tende a reduzir a sobrecarga dos centros de testagem.

Leia também: Clima seco e frio agrava os sintomas da covid-19, afirma estudo

Segundo as pesquisas que embasaram essa decisão, além de pessoas que tiveram contato com pacientes após o sexto dia de infecção não terem desenvolvido a covid-19, os doentes apresentam redução dos vírus na região superior do sistema respiratório após o início dos sintomas. Outro fator que corrobora para a decisão é o fato de nenhuma pessoa ter se reinfectado com o novo coronavírus após se curar.

Os médicos norte-americanos entrevitados pelo jornal The New York Times, concordaram, em sua maioria, com a nova diretriz, já que ela é embasada em evidências científicas, mas recomendaram maior atenção para os casos graves da doença, já que o vírus pode demorar até 20 dias para deixar o corpo. A recomendação é que se procure um médico, nestes casos.

Os Estados Unidos é o país com o maior número de casos de covid-19 no mundo, com mais de 4 milhões de ocorrências e 145 mil mortes.

A situação do país piorou no início de junho, quando algumas regiões começaram a reabrir, movendo o epicentro da doença da cidade de Nova York para Estados como Califórnia e Flórida.

Assista também: Pesquisadores avançam no tratamento precoce da covid-19

Últimas