Covid-19: Poluição é associada a 12% das mortes no Brasil

Artigo publicado em jornal científico europeu atribui agravamento da doença à exposição ao ar impuro das cidades por muito tempo

Poluição na cidade de São Paulo no mês de setembro

Poluição na cidade de São Paulo no mês de setembro

Marcelo Machado de Melo/Fotoarena/Estadão Conteúdo - 17.9.2020

Um estudo europeu concluiu que a exposição prolongada à poluição do ar foi responsável pelo acréscimo de 15% das mortes por covid-19 em todo o mundo.

Os resultados foram publicados na noite de segunda-feira (26) no jornal da Sociedade Europeia de Cardiologia.

Esta é a primeira vez que cientistas estimam a proporção de mortes que podem ser atribuídas à baixa qualidade do ar em todo o mundo.

Os resultados são baseados em dados epidemiológicos coletados até a terceira semana de junho de 2020 e os pesquisadores dizem que uma avaliação abrangente precisará ser feita depois que a pandemia diminuir.

No Brasil, o artigo aponta que esse índice foi de 12%, o que significa que das 49.976 mortes até o fim da terceira semana de junho, cerca de 6.000 podem ter sido de pessoas que viviam em cidades com altos níveis de poluição.

Leia também: O segundo maior perigo global à saúde humana (depois da covid-19) que encurta nossa vida em quase 2 anos

Na China, um dos países do mundo com os mais altos índices de poluição, 27% dos óbitos de pessoas infectadas pelo coronavírus estão associados ao ar impuro.

Em nível regional, na Europa, 19% das mortes por covid-19 podem ter relação com a poluição a longo prazo; na América do Norte, 17%; e no leste asiático, 27%.

Segundo o artigo, esses percentuais são "frações de mortes por covid-19 que poderiam ser evitadas se a população fosse exposta a níveis contrafactuais mais baixos de poluição do ar, sem emissões de combustíveis fósseis e outros antropogênicos [causados por humanos]".

O grupo observa que esta "fração atribuível não implica em uma relação direta de causa-efeito entre a poluição do ar e a mortalidade por covid-19" (embora seja possível).

Leia também: Pulmões de fumantes 'facilitam' entrada do coronavírus, diz estudo

A pesquisa aponta a poluição como desencadeadora ou agravante de doenças respiratórias. Com isso, pessoas que já sofrem com o ar ruim das grandes cidades podem ter complicações desses quadros quando infectadas pelo coronavírus.

"Quando as pessoas inalam o ar poluído, as partículas muito pequenas, as PM2.5, migram dos pulmões para o sangue e vasos sanguíneos, causando inflamação e estresse oxidativo severo, um desequilíbrio entre radicais livres e oxidantes no corpo que normalmente repara os danos às células. Isso causa danos ao revestimento interno das artérias, o endotélio, e leva ao estreitamento e enrijecimento das artérias. O vírus da covid-19 também entra no corpo através dos pulmões, causando danos semelhantes aos vasos sanguíneos", explica um dos autores do estudo, o professor Thomas Münzel, da Universidade Johannes Gutenberg, na Alemanha.

Münzel acrescenta que o material particulado "parece aumentar a atividade de um receptor na superfície das células, chamado ACE-2, que é conhecido por estar envolvido na maneira como o SARS-CoV-2 infecta as células".

"Portanto, temos um 'duplo golpe': a poluição do ar danifica os pulmões e aumenta a atividade da ACE-2, o que, por sua vez, aumenta a absorção do vírus pelos pulmões e provavelmente pelos vasos sanguíneos e pelo coração."