Covid-19: Sobreviventes produzem anticorpos que atacam o corpo

Autoanticorpos foram encontrados em pacientes graves que sobreviveram; achado pode beneficiar casos com tratamentos de doenças autoimunes

O novo coronavírus pode levar o sistema imunológico a atacar o próprio corpo

O novo coronavírus pode levar o sistema imunológico a atacar o próprio corpo

Reprodução / Pixabay

Alguns sobreviventes da covid-19 carregam autoanticorpos semelhantes aos de pacientes com lúpus e artrite reumatoide, doenças autoimunes. Esse autoanticorpos têm como alvo o material genético das células humanas em vez do vírus. Isso é o que demonstrou um estudo realizado por pesquisadores da Emory University, nos Estados Unidos, publicado recentemente no periódico científico MedRxiv.

Foram analisados 52 pacientes com covid-19 grave internados no sistema de saúde Emory, em Atlanta, nos Estados Unidos, sem histórico de doenças autoimunes.

Leia também: Cercada de preconceito, psoríase atinge 2,6 milhões de brasileiros

Os pesquisadores detectaram autoanticorpos em quase metade dos pacientes. Entre os mais graves, 70% tinham autoanticorpos. Também foi observado um anticorpo contra uma proteína chamada "fator reumatóide" e outras que levam à coagulação do sangue.

A infecção grave por SARS-CoV-2 está ligada à presença de autoanticorpos contra múltiplos alvos. Também pode explicar sintomas persistentes que permanecem meses depois que o vírus já foi embora, ressalta o estudo.

A descoberta pode contribuir para o tratamento da covid-19, pois ajuda a identificar pacientes que possam se beneficiar de tratamentos usados para doenças autoimunes. Lúpus e artrite reumatoide, por exemplo, não têm cura, mas dispõem de tratamentos que reduzem a frequência e a gravidade das crises.

O novo coronavírus é capaz de alterar o sistema imunológico que passa a atacar o próprio corpo, provocando mais danos que o vírus. Normalmente, os linfócitos T são capazes de reconhecer e combater o vírus, mas em doenças autoimunes como o lúpus, em vez disso, elas produzem autoanticorpos que se confundem com o vírus. O estudo afirma que algo semelhante ocorre com a covid-19.

Esses autoanticorpos também seriam responsáveis por sintomas persistentes, que podem permanecer por toda a vida em sobreviventes de covid-19. Essa memória de autoanticorpos ocorre também nas doenças autoimunes, afirma o estudo.