Novo Coronavírus

Saúde Covid-19: SP cria ferramenta para monitorar contato com infectado

Covid-19: SP cria ferramenta para monitorar contato com infectado

Patrícia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico, disse que objetivo é aumentar controle de pessoas potencialmente contaminadas no estado

  • Saúde | Ricardo Pedro Cruz, do R7

São Paulo é estado com o maior número de óbitos e casos no Brasil

São Paulo é estado com o maior número de óbitos e casos no Brasil

LUCAS LACAZ RUIZ/ESTADÃO CONTEÚDO

O Estado de São Paulo anunciou nesta quinta-feira (9) a criação de uma "ferramenta tecnológica" para monitorar as pessoas que tiveram contato com alguém infectado pelo novo coronavírus. O objetivo, de acordo com Patrícia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico, é "centralizar" o trabalho que vem sendo realizado de forma "descentralizada" pelos municípios paulistas. 

"Nós estamos hoje, através do governo do estado de São Paulo, criando uma ferramenta tecnológica para que os municípios aumentem o número de pessoas monitoradas e a eficiência desse monitoramento. Para que possamos sair de um modelo descentralizado para um modelo automatizado e centralizado", disse durante coletiva de imprensa, no Palácio dos Bandeirantes. 

Inicialmente, a plataforma está sendo testada nos municípios de Araraquara, Bauru e São Bernardo do Campo. A ideia, segundo a secretária, é que pelo menos 100 municípios estejam cobertos pelo novo modelo até o início de agosto. 

"Tão importante quanto testar, que é um trabalho que está avançando rapidamente no estado de São Paulo, é realizar uma efetiva triagem, um efetivo monitoramento de contatos e isolamento para que a pandemia seja de fato contida", completou Patrícia Ellen.

As orientações, que antes estavam concentradas apenas nos residentes em cada cidade, serão ampliadas para todo o estado, conforme adesão dos municípios. "Os protocolos passam a ser protocolos mais abrangentes, para que tenhamos uma cobertura ainda mais segura dos contatos. Isolando todos que tiveram contatos por 15 minutos com pessoas comprovadamente infectadas". 

Últimas