Novo Coronavírus

Saúde Covid: Entenda como anticorpo de grávida vacinada passou para bebê

Covid: Entenda como anticorpo de grávida vacinada passou para bebê

Caso foi registrado e analisado por pesquisadores dos EUA; mãe havia tomado a vacina da Moderna três semanas antes do parto

  • Saúde | Hysa Conrado, do R7

Anticorpos também podem ser transmitidos por meio da amamentação natural

Anticorpos também podem ser transmitidos por meio da amamentação natural

Reprodução/Pixabay

É comum que mulheres vacinadas durante a gravidez transmitam os anticorpos de imunizantes para o bebê, explica a ginecologista Cecília Roteli Martins, presidente da Comissão Nacional Especializada de Vacinas da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). Isso, inclusive, pode acontecer em casos de gestantes vacinadas contra o novo coronavírus, como mostra um estudo realizado por pesquisadores da Florida Atlantic University, nos Estados Unidos.

De acordo com a pesquisa, publicada em dia 5 de fevereiro na plataforma medRvix e ainda sem a revisão de outros cientistas, uma gestante que recebeu a vacina contra a covid-19 transmitiu os anticorpos para o bebê por meio do cordão umbilical.

A mulher acompanhada no estudo trabalha como enfermeira e deu à luz apenas três semanas após receber a primeira dose da vacina da Moderna, que usa a tecnologia do RNA mensageiro do vírus. Ela já recebeu a segunda dose do imunizante e, apesar de atuar na linha de frente do combate à pandemia, não foi diagnosticada com o novo coronavírus. 

Os cientistas detectaram os anticorpos por meio de uma amostra de sangue coletada do cordão umbilical da mãe momentos após o parto. No entanto, segundo a publicação, mais estudos serão necessários para verificar a quantidade de anticorpos neutralizantes virais presentes em crianças que nasceram de gestantes vacinadas e que não contraíram a covid-19.

“A eficácia protetora do imunizante em recém-nascidos e o momento ideal de vacinação materna permanecem desconhecidos”, dizem os cientistas Paul Gilbert e Chad Rudnick no estudo. “Além disso, a duração da proteção do anticorpo nesta população ainda não é conhecida”. 

A ginecologista explica que a passagem de anticorpos pelo cordão umbilical acontece por meio de um mecanismo chamado de transmissão vertical, que é acionado por meio de algumas vacinas durante o pré-natal para proteger o bebê durante os primeiros meses de vida, quando seu sistema imunológico ainda não consegue responder de forma satisfatória. 

“É um fenômeno já conhecido e vemos isso em outras vacinas aplicadas em gestantes, como a da coqueluche, gripe e hepatite B. Quando a mãe é imunizada durante a gestação, passa os anticorpos para o bebê, que continuam a circular pelo corpo dele durante todo o seu primeiro ano de vida”, explica a ginecologista.

O mesmo pode acontecer durante a amamentação, garante Cecília, já que os anticorpos podem ser transmitidos da mesma forma como acontece no cordão umbilical.  “Ainda não há estudos, mas temos falado que quem está amamentando não tem contraindicação para tomar a vacina contra a covid-19. Existe uma passagem de anticorpos pela amamentação natural, por isso é tão importante incetivá-la”, explica.

Últimas