Covid pode causar 'descarrilamento' imunológico, sugere estudo

Pesquisadores alemães descobriram que pacientes graves com a doença têm excesso de células de defesa, mas muitas delas são disfuncionais

Parte dos infectados pelo novo coronavírus desenvolve quadros graves da covid-19

Parte dos infectados pelo novo coronavírus desenvolve quadros graves da covid-19

Reprodução/NIAID

Uma pesquisa recente conduzida por cientistas alemães concluiu que a covid-19 pode causar uma espécie de 'descarrilamento' do sistema imunológico, apontando um novo entendimento em relação ao atual, de que o vírus provocaria apenas uma hiperativação das defesas do organismo de alguns pacientes graves.

O grupo — constituído por especialistas da Universidade de Medicina de Berlim - Charité, Universidade de Bonn, Centro Alemão de Doenças Degenerativas, Centro de Pesquisa de Infecção Helmholtz, do Centro Alemão de Pesquisa de Infecção, entre outros — identificou um ciclo contínuo de ativação e inibição do sistema imunológico durante a infecção pelo SARS-CoV-2 (vírus causador da covid-19).

Foram analisadas amostras de sangue de 53 pacientes com quadros leve ou grave nas cidades de Berlim e Bonn. O material foi submetido a uma análise de alta precisão para caracterizar propriedades das células imunes (glóbulos brancos) destes pacientes. Com esse método, foi possível decifrar as alterações no sistema imunológico dos infectados.

O estudo focou em células mieloides (neutrófilos e monócitos), que compõem a primeira linha de defesa do organismo. Esses mecanismos são acionados em um estágio inicial de uma infecção.

Nos pacientes leves, os cientistas constataram que essas células de defesa estão ativadas e programadas para ativar o restante do sistema imunológico para combater o SARS-CoV-2.

O mesmo, entretanto, não ocorreu quando observaram o sangue dos pacientes graves. "Aqui, os neutrófilos e monócitos são apenas parcialmente ativados e não funcionam adequadamente. Encontramos células consideravelmente mais imaturas que têm um efeito inibitório na resposta imune", explica Birgit Sawitzki, uma das autoras do estudo.

As causas dessa oscilação do sistema de defesa não são claras, afirmam os cientistas, mas já foi observada em outras infecções graves. No caso da covid-19, essa condição "poderia levar a uma resposta imune insuficiente contra o coronavírus, com inflamação grave simultânea do tecido pulmonar", acrescenta o pesquisador Leif Erik Sander.

Conter a hiperativação do sistema imunológico de pacientes com quadros graves de covid-19 é um dos desafios dos médicos. O estudo alemão, no entanto, ressalta que não basta apenas administrar medicamentos que tenham este propósito.

"Não se trata de desligar completamente o sistema imunológico, mas apenas aquelas células que desaceleram a si mesmas, por assim dizer. Nesse caso, são células imaturas. Possivelmente, podemos aprender com a pesquisa do câncer. Há experiência com terapias direcionadas a essa células", ressalta o professor Jacob Nattermann, do Hospital Universitário de Bonn.