Dia D de combate ao Aedes aegypti acontece na sexta em São Paulo

Mobilização é realizada de forma simultânea em pontos do Estado e da capital

Aedes aegypti é transmissor de diversas arbovirores
Aedes aegypti é transmissor de diversas arbovirores Ag. Pará/Fotos Públicas

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo promove, a partir das 9h30 desta sexta-feira (8), o Dia D de combate ao Aedes aegypti. O trabalho, desenvolvido com apoio da Secretaria Municipal de Saúde da capital, faz parte das ações do Dia Nacional de Mobilização contra o mosquito, que visa a prevenção e conscientização da população.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, o Dia Nacional de Combate ao Mosquito acontece em todo o Estado e abrange ações integradas e simultâneas, que envolvem agentes de saúde e sociedade civil para eliminação de focos do Aedes em áreas públicas, escolas e casas, para engajar a população na prevenção contra as arboviroses — doenças transmitidas por insetos.

“O mosquito Aedes aegypti demanda uma vigilância constante, sobretudo com a chegada do verão e do período de chuvas. O Governo do Estado segue desenvolvendo as estratégias e verifica resultados positivos no combate, a exemplo da queda expressiva nos casos de dengue”, diz secretário de Estado da Saúde de São Paulo, David Uip.

Queda nos casos

De acordo com a pasta, o número de casos de arboviroses caiu nos últimos anos, sendo que a queda mais expressiva está relacionada à dengue. Até outubro de 2017, foram confirmados 4.746 casos e cinco mortes. O número representa cerca de 3% do total registrado em 2016, quando foram confirmados 162.497 casos; e apenas 0,7% do total de 2015, quando houve 678.031 diagnósticos confirmados.

Com relação à chikungunya foram 463 casos confirmados em 2017, contra 1.100 em 2016. Já em relação à zika, foram 86 casos confirmados neste ano, contra 4.032 no ano passado.

De modo geral, o Estado de São Paulo está em situação satisfatória, considerando parâmetros que avaliam a infestação do mosquito previstos no LIRAa (Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti), afirma a secretaria de saúde.

No mês de outubro, 604 municípios realizaram o levantamento, o que representa 93,6% do território paulista. Desse total, 500 cidades estão em situação satisfatória, 98 em alerta e seis em situação de risco (Ribeirão Preto, Araçatuba, Guarujá, Jandira, Peruíbe e Jaboticabal).

Dia D na capital

Na capital paulista, estão previstas atividades das 9h às 17h desta sexta-feira, como intensificação das visitas casa a casa; ações com crianças em escolas municipais; operações cata-bagulho; orientação e distribuição de panfletos em estações de metrô e em alguns terminais de ônibus e distribuição de telas de caixa d’água.

“Estamos trabalhando em diversas frentes para evitar o aumento de casos. Para isso, é fundamental combater o vetor com ações nos criadouros. Além das ações dos nossos agentes, é importante que a população fique alerta para reconhecer e combater os locais com água parada, ambiente propício ao Aedes. É importante lembrar que, em média, 85% dos criadouros estão dentro de casa”, afirma Wilson Pollara, secretário Municipal da Saúde.

A data será marcada por uma ação no distrito Campo Grande, na zona sul, que visa impedir a proliferação do mosquito transmissor de doenças como a dengue, chikungunya e a zika. A estratégia prevê a mobilização de 40 agentes estaduais e municipais para visitação casa a casa, com varredura de focos do mosquito e eliminação de criadouros. A expectativa é alcançar mais de 300 imóveis da região. O ponto de encontro será a praça Alcindo Rocha Campos, em frente ao Cemitério Campo Grande, localizado na avenida Nossa Senhora do Sabará, 1371.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, houve diminuição em 95,12% os casos autóctones de dengue [que ocorreram dentro da cidade] em relação ao ano passado. Até 30 de novembro deste ano, foram registrados 794 casos da doença contra 16.283 em 2016. Em relação à chikungunya, a redução foi de 80% — houve dez casos em 2017 contra 50 no ano passado. E de zika, o município registrou três casos neste ano e 10 em 2016, redução de 70%.

Os sintomas do zika são sempre evidentes? Descubra mitos e verdades sobre o vírus