Doenças aedes

Saúde Dilma promete mobilizar Forças Armadas e serviços de saúde no combate ao Aedes

Dilma promete mobilizar Forças Armadas e serviços de saúde no combate ao Aedes

Presidente reafirmou que 220 mil membros do exércitos participarão da operação

  • Saúde

Dilma Rousseff tem reiterado a importância de todos se envolverem no combate ao vírus da zika

Dilma Rousseff tem reiterado a importância de todos se envolverem no combate ao vírus da zika

Roberto Stuckert Filho/03.02.2016/PR

A presidente Dilma Rousseff voltou a ressaltar nesta quinta-feira (4), durante evento público, a necessidade de união de todo o Brasil no combate ao mosquito Aedes aegypti, que transmite dengue, zika e chikungunya. 

Ela lembrou que no próximo dia 13 o governo federal fará sua primeira mobilização nacional no combate ao mosquito, embora alguns governos estaduais já tenham realizados ações menores antes.

"Vamos mobilizar todo o contingente de 220 mil pessoas das Forças Armadas e também os serviços de saúde. O zika vírus a gente combate com vacina, mas o mosquito a gente não pode nem deixar nascer", comentou.

Homens abandonam mães de bebês com microcefalia em PE: "Ele me culpou por ela nascer assim"

Mãe conta como são as duas filhas com microcefalia: "São inteligentes"

As declarações foram feitas durante inauguração de uma fábrica de cerveja da Ambev em Uberlândia (MG). A companhia também se comprometeu a ajudar no combate ao Aedes aegypti, fazendo proveito dos mais de 1,2 milhão de pontos de venda com que trabalha em todo o País.

Na quarta-feira (3), em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, Dilma já havia ressaltado a necessidade de união contra as doenças transmitidas pelo mosquito.

"Não vou falar sobre política ou sobre economia. Vou falar sobre saúde e sobre uma luta urgente que temos de travar neste momento em defesa das nossas famílias. Uma luta que deve unir todos nós", disse a presidente no início de sua fala. "Vamos provar, mais uma vez, que o Brasil é forte, tem um povo consciente, e não será derrotado por um mosquito e pelo vírus que ele carrega", emendou.

Sem detalhar o montante investido pelo governo, a presidente afirmou que todos os recursos "financeiros, tecnológicos e humanos necessários" serão colocados "nesta luta em defesa da vida". Ela citou novamente o contato feito com o presidente norte-americano Barack Obama para que os dois países possam desenvolver, "o mais depressa possível", uma vacina contra o zika. "Acertamos colaborar nesse desafio."

A fala de Dilma foi acompanhada de protestos em alguns pontos da capital paulista, mas os "panelaços" foram mais fracos do nas declarações anteriores da presidente na TV.

Risco da dengue e do zika vírus cancela o Carnaval de 1,43 milhão de pessoas em 11 cidades brasileiras

Dilma pede engajamento de todos no combate ao zika

Últimas