Novo Coronavírus

Saúde Dinamarca vai matar 17 milhões de visons com mutação de coronavírus

Dinamarca vai matar 17 milhões de visons com mutação de coronavírus

Governo anunciou que vai exterminar toda a população de animais do país após 12 pessoas infectadas; mutação interfere na produção de anticorpos

  • Saúde | Do R7

O vison é criado em fazendas para a confecção de casacos de pele

O vison é criado em fazendas para a confecção de casacos de pele

Wikipedia

A Dinamarca divulgou que vai sacrificar 17 milhões de visons, animais criados em fazendas para a confecção de casacos de pele, para para evitar que uma nova mutação do novo coronavírus interfira na eficácia de uma vacina. 

O anúncio foi feito pela primeira-ministra, Mette Frederiksen, na quarta-feira (4), em entrevista coletiva à imprensa. O país é o principal exportador desse produto.

Leia também: Hospital em SP detecta visitantes com coronavírus, mas sem sintomas

Isso significa que todos os animais do país serão sacrificados. A mutação foi descoberta depois que 12 pessoas que trabalhavam na fazenda contraíram a covid-19 de visons. Nenhuma desenvolveu a doença na forma grave, mas todas apresentaram baixa produção de anticorpos. 

Um estudo mostrou que essa nova mutação impede que as pessoas infetadas com o Sars-CoV-2 produzam anticorpos, segundo o jornal norte-americano The New York Times.

O caso ressalta o papel dos animais na disseminação e modificação do vírus. As Forças Armadas estariam envolvidas no abate desses animais, ainda segundo o jornal. 

O governo dinamarquês teria notificado a OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre a mutação do vírus. A OMS reconheceu que havia sido informada pela Dinamarca sobre uma série de pessoas infectadas com coronavírus de visons com algumas alterações genéticas.

Segundo o The New York Times, a OMS afirmou que a Dinamarca estava “investigando o significado epidemiológico e virológico dessas descobertas e eliminando a população de visons.”

Últimas