Doenças aedes
Saúde Diretora da OMS elogia 'transparência do país' no combate ao zika

Diretora da OMS elogia 'transparência do país' no combate ao zika

Margareth Chan disse estar bem impressionada com as ações para mobilizar a sociedade civil, setores religiosos e empresariado

Diretora da OMS elogia 'transparência do país' no combate ao zika

Margareth Chan destacou também o papel da mídia em divulgar informações para ajudar no combate ap surto

Margareth Chan destacou também o papel da mídia em divulgar informações para ajudar no combate ap surto

Reprodução/Facebook/OMS

Em seu primeiro dia de visita ao Brasil, a diretora geral da Organização Mundial da Saúde, Margareth Chan, elogiou o desempenho de autoridades brasileiras na condução de medidas para enfrentar o aumento de casos de nascimento de bebês com microcefalia, disse que o País assumiu um papel de liderança e procurou passar uma mensagem tranquilizadora sobre eventuais riscos para turistas e atletas, durante a Olimpíada.

Ao chegar ao Cenad (Centro Nacional de Gerência de Riscos e Desastres) do Ministério da Defesa nesta terça-feira (23), pouco depois de se encontrar com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto, a diretora disse estar bem impressionada com as ações para mobilizar a sociedade civil, setores religiosos e empresariado . "Nunca tinha visto uma liderança atacar o problema com tamanha velocidade e seriedade", disse.

"Zika vírus é muito pior que o ebola", diz especialista 

Sobe para 583 número de casos confirmados de microcefalia no Brasil

Margareth afirmou entender a preocupação e ansiedade em torno da zika e microcefalia. Referindo-se ao Aedes aegypti como "grande inimigo", a diretora ressaltou a importância de se compartilhar informação e de se trabalhar no combate aos criadouros. "Dois terços estão em residências, daí a necessidade de se informar a população."

A diretora destacou ainda a importância da mídia. "Vocês têm um papel essencial para levar informação à população, em particular para mulheres, para que elas tenham informações necessárias para tomar decisões corretas", completou. Há duas semanas, o Alto Comissariado da ONU (Organização das Nações Unidas) defendeu que países fizessem uma avaliação sobre suas próprias leis, abrindo caminho para a interrupção da gravidez no caso de a gestante ser contaminada pelo vírus da zika.

Margareth elogiou também a transparência do governo brasileiro para compartilhar informações relacionadas a zika e microcefalia. A afirmação foi vista como uma defesa ao governo às críticas feitas nas últimas semanas por representantes da comunidade científica internacional. Eles se queixaram que o Brasil estaria resistindo em repassar informações importantes para condução de pesquisa em centros internacionais. "O governo está sendo transparente. Compartilhando todas informações que tenham sido obtidas", afirmou.

A diretora falou também sobre assistência. Disse ser "visível" o empenho da presidente Dilma e do ministro Marcelo Castro em ofertar para famílias os melhores cuidados para que elas possam se prevenir e tratar a doença, caso ela ocorra. "Muita gente me pergunta sobre a Olimpíada", disse. "O governo está trabalhando de forma constante. Posso assegurar que teremos um plano muito bom e alvos muito bons para as pessoas que venham terem o máximo de proteção. Estou confiante", completou.

Zika impulsiona ‘mercado paralelo’ de repelente

Pesquisa investiga possíveis problemas neurológicos causados por zika em adultos

Mãe de gêmeos em que um tem microcefalia diz: "Tem dia que fico pensando por que um teve e outro não"

    Access log