Saúde Doença de chagas e malária agora são problemas de países ricos, diz especialista

Doença de chagas e malária agora são problemas de países ricos, diz especialista

EUA o sétimo país do mundo em números de casos de Chagas

  • Saúde

Doenças como malária, chagas e leishmaniose não estão mais restritas aos países pobres. São um problema também nos países desenvolvidos, segundo alerta do economista Eric Stobbaerts, diretor executivo para a América Latina da iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi, na sigla em inglês). A entidade foi criada em 2003 com a missão de dar resposta a um dos principais problemas dos profissionais que atuam na organização Médicos Sem Fronteiras: tratamentos pouco eficientes ou inexistentes para doenças que não atraem investimentos da indústria farmacêutica.

— As doenças negligenciadas muitas vezes foram olhadas pelo prisma de doenças das populações rurais, pobres; de pessoas que não têm voz. Hoje em dia, sabemos que essas doenças atingiram zonas urbanas. A doença de Chagas é endêmica da América Latina, mas está se globalizando. Há casos no México, Estados Unidos (hoje, o sétimo país em número de casos), Canadá, Europa e Japão. E isso tem a ver com os fluxos migratórios.

A DNDi completa dez anos e seu braço na América Latina recebe, na quinta-feira (11), o Prêmio Carlos Slim em Saúde, pelo desenvolvimento de dois medicamentos no Brasil — uma droga para malária e uma formulação pediátrica para Chagas.

Leia mais notícias de Saúde

Nesse período, a DNDi produziu ao todo seis remédios para doenças negligenciadas. A meta é chegar a 13 até 2018.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas