Dois estrangeiros são desclassificados do programa Mais Médicos

Candidato chileno está sob a suspeita de não ser médico 

Dois profissionais estrangeiros que estavam entre os selecionados para trabalhar no Mais Médicos estão fora do programa: um foi desclassificado por suspeita de não ser médico e outro está com a inscrição suspensa por supostamente ter antecedentes criminais.

O primeiro desclassificado é um chileno e estava selecionado para atuar em Bonito, na Bahia. Ele teria se formado em Medicina na Espanha, mas, segundo o Ministério da Saúde, não apresentou à embaixada o registro profissional original comprovando a formação, a declaração de que ele pode atuar como médico e a ficha de antecedentes criminais. Uma reportagem publicada em 2005 no site de um jornal chileno informava que ele havia sido preso na cidade de Angol, por praticar Medicina sem diploma.

O outro caso é de uma médica de nacionalidade sérvia que estava selecionada para trabalhar em Taboão da Serra, na Grande São Paulo. De acordo com o ministério, a documentação referente à formação em Medicina estava em ordem, mas a pasta recebeu uma denúncia de que ela havia sido presa em 2004 — o governo não informou o motivo da prisão. O ministério acionou a Polícia Federal para investigar se há questões que a impeçam de participar do programa referentes ao seu histórico criminal.

Segunda etapa

A segunda fase de inscrições foram abertas nesta segunda-feira, 19. Prefeituras e profissionais que não aderiram ou que não completaram a inscrição na primeira fase terão até o dia 30 para se inscrever. O primeiro mês de seleção contabilizou a adesão de 3.511 municípios, que indicaram 15.460 vagas. Ao final dessa etapa, 1.618 profissionais confirmaram participação.