Novo Coronavírus

Saúde Entenda por que é preciso repetir o teste 'padrão ouro' para covid-19

Entenda por que é preciso repetir o teste 'padrão ouro' para covid-19

Exame de biologia molecular RT-PCR é o único que serve para diagnóstico porque detecta a presença do material genético do novo coronavírus

  • Saúde | Brenda Marques, do R7

Testes de biologia molecular para detectar casos de covid-19

Testes de biologia molecular para detectar casos de covid-19

Agência EFE

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o teste de biologia molecular RT-PCR como padrão ouro para a confirmação de casos da covid-19. Ele é o único que serve para diagnóstico porque detecta a presença do material genético do vírus, o que permite saber se a pessoa está infectada no mesmo momento em que foi testada.

É exatamente por ser uma "foto do momento", como define Alessandro dos Santos Farias, professor do Instituto de Biologia e Coordenador da Frente de Diagnóstico da Força-Tarefa de enfrentamento ao novo coronavírus da Unicamp, que ele precisa ser repetido.

"Naquele dia que testou a pessoa pode não estar infectada, mas pode estar no outro. Por isso países que fizeram um rastreamento rigoroso de casos repetiram os testes", ressalta.

Leia também: Entenda caso de homem vítima da covid-19 após dois testes negativos

Com isso, aqueles que tiveram resultados positivos para o teste e decidem repeti-lo vão saber se ainda estão ou não infectados pelo novo coronavírus.

De acordo com Farias, o período entre 3 e 5 dias após o início dos sintomas parece ser melhor para a detecção do material genético viral. "Mas não dá para bater o martelo, porque a infecção é muito variável em cada pessoa", pondera.

A sigla RT-PCR significa "reação em cadeia da polimerase acoplada a transcriptase reversa". Na prática, isso significa que o RNA - material genético do vírus - é transformado em DNA para depois ser detectado. 

"O PCR é uma técnica que permite detectar poucas moléculas de DNA, ele identifica e aumenta essa quantidade", explicou em entrevista ao R7 o virologista Flávio Guimarães da Fonseca, do Centro de Tecnologia em Vacinas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Como é o exame

As amostras para o exame são retiradas do nariz ou da boca com um instrumento chamado swab, que se parece com um cotonete gigante. A análise é feita em laboratório, de acordo com a Anvisa.

Já o testes rápidos detectam a presença de anticorpos produzidos em reação à infecção pelo novo coronavírus em uma amostra de sangue retirada a partir de um furinho no dedo.

Leia também: Covid-19: Por que não é seguro dar festas, mesmo com todos testados

Repetir esse tipo de exame só seria últil se houvesse a garantia de uma imunidade coletiva a partir da produção de anticorpos, segundo Farias. "Mas a gente não tem certeza sobre quanto tempo [a imunidade] dura e aparentemente ela não é mediada por anticorpos", observa.

Veja também:
Covid-19: conheça as duas vacinas que devem ser oferecidas no país

Últimas