febre amarela

Saúde Epidemia de febre amarela em Angola pode se transformar em ameaça para o mundo todo, diz OMS

Epidemia de febre amarela em Angola pode se transformar em ameaça para o mundo todo, diz OMS

Vírus matou 238 em quatro meses em Angola, e Organização da Saúde declara emergência

  • Saúde | Do R7

Doença é causada pelo mesmo mosquito da dengue e zika

Doença é causada pelo mesmo mosquito da dengue e zika

FERNANDO DA HORA/JC IMAGEM/ESTADÃO CONTEÚDO

Uma epidemia de febre amarela em Angola, que já matou centenas de pessoas, pode se transformar em uma “ameaça para o mundo todo” segundo a Organização Mundial da Saúde, conforme matéria divulgada no jornal inglês Independent. Desde dezembro passado, vem sendo registrados no país casos do vírus transmitido pelo mosquito aedes aegypti — o mesmo da dengue — e, agora, a doença já se espalhou por 16 províncias angolanas.

Até o momento, há a suspeita de que milhares de pessoas tenham sido infectadas, enquanto 238 mortes pelo vírus já foram confirmadas.

“A evolução do problema em Angola é preocupante e precisa ser monitorada”, disse o alerta.

Passageiros vindo de Angola já exportaram o vírus para a China, Quênia e Congo, onde pelo menos 21 pessoas já morreram em decorrência da febre amarela.

Em decorrência disso, a OMS teme que o vírus se espalhe ainda mais, por conta da grande comunidade de migrantes que vive em Angola e que, regularmente, viaja para países vizinhos.

Os países afetados pelo aedes aegypti estão em maior risco, segundo a organização. Áreas em que já foram registradas epidemias de dengue, chikungunya e zika vírus são territórios férteis para que a febre amarela também se espalhe.

Em virtude do problema, a OMS fez uma convocação para “uma urgente união de forças em Angola”, e para que se aumente a imunização de passageiros da região. Junto com a Unicef, o Center for Disease Control and Prevention e o Médicos sem Fronteiras, a OMS está monitorando a situação no país, e declarou situação de emergência.

Confira o R7 Play e assista à programação da Record na íntegra

Últimas