Novo Coronavírus

Saúde Equador dobra casos de covid-19 após resultados de testes atrasados

Equador dobra casos de covid-19 após resultados de testes atrasados

País, que tinha milhares de testes com atraso no resultado, revisou o número de contaminados pelo novo coronavírus de 11,1 mil para 22,1 mil

  • Saúde | Da EFE

Motociclista apresenta documento para poder entrar em Guayaquil, no Equador

Motociclista apresenta documento para poder entrar em Guayaquil, no Equador

Marcos Pin / EFE - 23.4.2020

O Equador dobrou seu número oficial de infecções nesta quinta-feira (23) para 22.160, depois de obter os resultados de milhares de testes atrasados para o novo coronavírus, informou o ministro da Saúde, Juan Carlos Zevallos, durante entrevista coletiva.

Leia também: Província do Equador tem 6 vezes mais mortes na 1ª quinzena de abril

Zevallos disse que os resultados ainda "não foram carregados" nos infográficos oficiais, onde aparecem 11.183 casos, aos quais serão adicionados agora os 10.977 que deram positivo no conjunto de testes que aguardavam resposta.

O ministro também argumentou que outros 12.879 também deveriam ser adicionados aos casos descartados, de modo que "a proporção (de contágio) permanece".

"É óbvio que, quando houver mais casos testados, o número de positivos aumentará, mas também devemos contrariar os casos negativos", disse Zevallos, em entrevista coletiva logo após a chefe do governo, María Paula Romo, ter divulgado os dados oficiais de hoje.

Com esse novo número, o Equador, um dos países mais afetados pela pandemia, ocuparia o segundo lugar em infecções na América do Sul, atrás somente do Brasil, com mais de 46 mil casos, e ultrapassando Peru e Chile, que estavam à frente em termos infecções, mas não em mortes.

Situação segue pior em Guayaquil

De acordo com as informações mais recentes fornecidas pelo Ministério da Saúde Pública, por província, a de Guayas, cuja capital é Guayaquil, continua reunindo a maioria dos casos, seguida por Pichincha, com Quito como chefe, e Azuay, da qual Cuenca é sua capital.

Embora o governo tenha enfatizado que as orientações para a população continuam sendo as de ficar em casa, nas próximas semanas será considerado o reatamento de algumas atividades, que exigirão "menor capacidade, maior distância na rua, organização de turnos" ou que seja dada prioridade às entregas a domicílio.

María Paula Romo ressaltou que os protocolos deverão ser seguidos nos escritórios, assim como nos transportes, parques e ruas em uma eventual próxima fase.

Últimas