Saúde EUA: especialistas alertam sobre maior risco de infecção no Natal

EUA: especialistas alertam sobre maior risco de infecção no Natal

População deve usar máscara e se vacinar com a dose de reforço; variante Ômicron se mostrou mais transmissível

  • Saúde | da Agência Brasil

Variante Ômicron do coronavírus é mais transmissível que as outras cepas

Variante Ômicron do coronavírus é mais transmissível que as outras cepas

Freepik

O principal especialista em doenças infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, alertou sobre o maior risco de transmissão da variante Ômicron com as viagens de Natal, afirmando que a nova cepa está "devastando o mundo”.

Especialistas americanos fazem um apelo à população para que use máscara e se vacine com a dose de reforço, pois antecipam um aumento brusco no número de casos nas próximas semanas.

Em entrevista ao programa Meet the Press, da NBC, Fauci alertou sobre a “capacidade extraordinária de disseminação” da variante Ômicron e o maior risco de infecção, mesmo em pessoas vacinadas.

“Uma coisa que está clara é a extraordinária capacidade [da Ômicron] de propagação, a sua capacidade de transmissibilidade”, disse Fauci. “Ela está devastando o mundo”, afirmou.

Fauci explicou que a nova variante do vírus Sars-CoV-2 tem um período de duplicação de dois a três dias em certas regiões do país, o que significa que se tornará dominante nos EUA.

“Vai ser difícil. Não podemos fugir desse cenário porque, com a Ômicron, enfrentaremos semanas e meses difíceis à medida que avançamos no inverno. Vamos assistir a uma pressão significativa em algumas regiões do país, no sistema hospitalar, principalmente nas áreas onde existe baixo índice de vacinação”, explicou.

Com a aproximação da época festiva, os especialistas alertam sobre o maior risco de contágio e de infecção pela nova variante. Apesar de não recomendarem aos vacinados que cancelem as viagens, as pessoas devem tomar alguns cuidados.

Apelo à vacinação

O alerta de Fauci ocorre uma semana depois de os EUA terem ultrapassado 800 mil mortes por Covid-19 e assistirem a um aumento de 17% nos casos e de 9% nos óbitos.

Francis Collins, diretor do Instituto Nacional de Saúde dos EUA (NIH), disse ao programa Face the Nation, da CBS, que o número de casos de infecção pela variante Ômicron aumentará de forma significativa nas duas próximas semanas e fez um apelo à vacinação.

"Se foi vacinado e recebeu a dose de reforço, está muito bem protegido contra a variante Ômicron, que pode causar doença grave. Qualquer um que esteja ouvindo esta mensagem e pertença aos 60% dos americanos elegíveis para uma dose de reforço mas ainda não se vacinou, esta é a semana para fazer isso. Não esperem", apelou Collins.

Fauci e outros especialistas explicam que a imunização por si só não evitará a disseminação da Ômicron, mas estão confiantes em que o risco de doença grave ou de morte é amplamente reduzido com a vacinação.

Collins mostrou-se preocupado com os 27% dos americanos que ainda não receberam nenhuma dose da vacina contra a Covid-19. “A Ômicron é uma versão totalmente nova [do vírus] e tão diferente que tem as propriedades para evitar os benefícios das vacinas e de outras medidas que tomamos”, afirmou o diretor do NIH.

O presidente americano, Joe Biden, planeja fazer um discurso nesta terça-feira (21) sobre a evolução da Covid-19 no país. Fauci antecipou alguns pontos que poderão ser abordados no discurso de Biden:

“O presidente vai enfatizar várias coisas: a vacinação com a dose de reforço, a vacinação das crianças, a disponibilização de mais testes e equipes de urgência, porque sabemos que vai haver maior necessidade de internações”.

Em algumas regiões dos EUA, os hospitais estão ficando novamente superlotados com doentes de Covid-19 e a expectativa, segundo os especialistas, é que as coisas piorem.

A variante Ômicron já foi detectada em 43 dos 50 estados americanos e em 90 países até o momento.

Últimas