Novo Coronavírus

Saúde Exercícios físicos em casa: o que pode causar lesões e como evitá-las

Exercícios físicos em casa: o que pode causar lesões e como evitá-las

Malhar em casa é um hábito importante para se manter saudável e aliviar o estresse durante pandemia do coronavírus, mas cuidados são necessários

  • Saúde | Guilherme Padin, do R7

Lesões podem ser comuns durante exercícios em casa

Lesões podem ser comuns durante exercícios em casa

Pixabay

Uma forma de se manter saudável e aliviar o estresse durante o período de confinamento pela pandemia do novo coronavírus é se exercitar. No entanto, a falta de orientação para esta prática em casa ou mesmo um momento de desatenção pode causar lesões e novos incômodos a quem está em isolamento.

“Exercícios feitos em casa, nesse momento de adaptação, acontecem com muitos improvisos. Assim, acidentes são muito comuns”, comenta o educador físico Ronie Hornos.

Para tirar as dúvidas sobre esta prática, Hornos explica por que lesões são comuns durante a prática de atividades físicas em casa, como evitá-las e quais são os exercícios mais recomendados.

Segundo o professor, entre as origens mais comuns para estas lesões, além dos espaços inadequados – propícios para “quedas, batidas, escorregões, torções, entre outros” –, há também o exagero em determinados exercícios.

Às vezes, como explica o educador físico, a impossibilidade ou falta de repertório para se variar a rotina de atividades pode fazer com que o mesmo exercício seja repetido em excesso, levando a contusões tanto nas articulações como nos músculos.

Veja também: Maior rede de academias do país vai manter treino online após pandemia

Para reduzir a chance de se machucar, Ronie sugere uma sequência variada de exercícios – de preferência, receitada por um profissional de educação física – e um melhor preparo do ambiente para esta prática: “deixando limpo, seco, espaçoso e livre de acidentes indesejados”.

E que exercícios fazer?

De acordo com Hornos, para estar com a saúde em dia, o período de pandemia requer muito mais a manutenção da forma física do que um treinamento voltado à melhoria dos limites.

Os tradicionais abdominais, flexão de braço e agachamento, como afirma o educador, são muito bem-vindos. Para as coxas, quadris e panturrilhas, o exercício de agachamento é a saída mais adequada a quem está confinado.

Crianças devem ter supervisão de adultos nos exercícios

Crianças devem ter supervisão de adultos nos exercícios

Pexels

Para ele, não há problema no improviso. “Pesos dentro de mochilas, como sacos de alimentos, por exemplo, também pode atender às demandas de braço, ombro, abdômen e costas”, orienta o educador físico.

No entanto, alerta Ronie, é importante avaliar se o equipamento ‘substituto’ está adequado e não oferece instabilidade e riscos de descolamentos ou queda.

Também importantes, exercícios aeróbios como corridas, pedaladas e caminhas acabam se tornando limitados por dependerem dos ambientes ao redor e do respeito ao distanciamento social. Entretanto, indica o professor, práticas como polichinelos e pular corda podem ser realizadas em casa e ajudam nesta substituição.

Veja também: Sem academia? Treino de 12 minutos pode ser feito em casa

Cargas de peso, repetições e tipos de exercícios podem variar para cada perfil, respeitando características como idade, peso, capacidades e histórico. Por isso, o especialista aconselha os praticantes a não tentarem atingir limites – de carga ou repetições – sem o acompanhamento profissional. “O treino ficará menos ousado, mas mais seguro”, comenta.

Para os idosos, o foco deve ser na manutenção dos movimentos e habilidades, não a busca por capacidade máxima. Quanto às crianças, não há contraindicações para os trabalhos com força, mas os exercícios e seus improvisos devem ser supervisionados por adultos.

Últimas