Saúde Genética, personalidade e trauma podem levar à depressão, alertam especialistas

Genética, personalidade e trauma podem levar à depressão, alertam especialistas

Psicanalista afirma que sensação é de que "tudo parece que perdeu o sentido"

Genética, personalidade e trauma podem levar à depressão, alertam especialistas

PC Siqueira diz que sofre com depressão

PC Siqueira diz que sofre com depressão

Reprodução/Facebook

Falta de interesse e prazer para realizar atividades, tristeza constante e agonia são apenas alguns dos sinais de depressão. Além de PC Siqueira que relatou ao R7 que sofre com a doença, cerca de 10% da população brasileira convive com este mal e 15% terão a doença em algum momento da vida, de acordo com dados da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Para o psicanalista e professor da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) Claudio Cesar Montoto, a depressão é uma forma de a pessoa “se posicionar como sujeito perante as grandes questões da vida humana”.

— A pessoa pode perceber que está em um processo depressivo quando não consegue ter forças, capacidade, desejo para enfrentar os desafios comuns, do dia a dia da nossa existência. Tudo parece que perdeu sentido. Não há donde tirar forças para continuar a luta do que chamamos viver.

Com depressão e transtorno bipolar, PC Siqueira desabafa: "muito ruim viver assim"

Além da predisposição genética — um dos principais fatores, a personalidade e episódios traumatizantes podem contribuir para o desenvolvimento da depressão, conforme explica o psiquiatra Kalil Duailibi, da Associação Brasileira de Psiquiatria.

— Um dos fatores a se considerar é que o estresse está aumentado no mundo. Algo crônico e de pequena intensidade pode levar à depressão e insônia. Isso é da modernidade. Relações difíceis com os chefes, com familiares, preocupações econômicas levam a quadros de muita ansiedade.

Uma das curiosidades, de acordo com o especialista, é que homens e mulheres desencadeiam a doença de forma diferente. Quando estão deprimidos, os homens ficam mais “irritados, briguentos, explosivos, mal-humorados”. Já as mulheres, ficam mais sensíveis.

— Eles brigam no trânsito, na reunião de condomínio, briga com o vizinho. Já as mulheres têm mais depressão que o sexo masculino. Elas têm mais dores crônicas porque somatizam mais. Elas ficam muito mais vulneráveis, sensíveis, às vezes, uma palavra torta mexe com ela absurdamente.

Adolescente com depressão diz que passou semanas em casa dormindo e chorando

Frescura X depressão

Além da dificuldade do deprimido em conviver com a doença, quem nunca passou por um “episódio depressivo acha que o sujeito com depressão é um fresco”, afirma Montoto. Na entrevista à reportagem, PC Siqueira contou que algumas pessoas ainda pensam que “você não faz porque é preguiçoso”.

— Não há nada pior que empurrar o depressivo para que se movimente e veja que linda é a vida.

Tratamentos possíveis

Uma das soluções de tratamento está no uso de antidepressivos, de acordo com Duailibi. Há classes de remédios contra a depressão e as escolhas são feitas de acordo com cada paciente. Segundo ele, é necessário verificar se a pessoa perdeu peso ou não, quais sintomas que ela tem. O tratamento demora de duas a três semanas para dar “uma boa resposta” e tem que ser prolongado e não pode ser interrompido.

— É necessário mudar também os hábitos de vida. Fazer atividades físicas pelo menos quatro vezes por semana. Além disso, investir na psicoterapia ajuda a pessoa a entender o que se passa em sua vida e ela descobre como desarmar os gatilhos. Alimentação saudável ajuda a prevenir a depressão, como peixes, atum e sardinha, além de frutas vermelhas pequenas, como cerejas, framboesa e amora. Esses alimentos têm substância chamada de antocianina que protege os neurônios.

Leia mais notícias de Saúde

Montoto também chama a atenção para a terapia. Segundo ele, ela é essencial no tratamento para que a pessoa “possa se defrontar com as suas questões mais fundamentais”.

— A terapia não é indicada para quem está louco e sim para que não se enlouqueça. O indivíduo pode passar a vida toda, até morrer sem nunca ter mexido em nenhuma questão fundamental a respeito de como lidar com si mesmo e com o outro. No entanto, fazer análise, por exemplo, significa ter que aceitar o desafio de mergulhar no mais profundo do ser para se defrontar com o que há de melhor e de pior em nós mesmos.
 

    Access log