Governo quer levar testes rápidos de covid-19 a 2,3 milhões de idosos

Plano de proteção a idosos prevê investimento de R$ 3,96 bilhões e inclui atendimento do Disque 100 a quem se sentir sozinho e quiser conversar

Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Marcello Casal Jr/Agência Brasil - 13.04.2020

Testes rápidos de covid-19 devem ser aplicados em 2,3 milhões de idosos em todo o país, afirmou nesta quinta-feira (30) a ministra Damares Alves, da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. De acordo com a ministra, serão ainda distribuídos 5,8 milhões de equipamentos de proteção individual em ILPIs (Instituições de Longa Permanência para Idoso).

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

Em entrevista coletiva, Damares apresentou as principais ações que serão tomadas pelo plano de proteção de idosos do país durante a pandemia do novo coronavírus. “Estamos conseguindo fazer desse limão uma limonada no Brasil. Estamos conseguindo fazer uma releitura de política pública no Brasil. Estamos conseguindo fazer políticas públicas que ficarão para a eternidade”, afirmou, agradecendo a parceria dos ministérios da Saúde e da Cidadania.

Entre as medidas está a expansão do serviço do Disque 100 para a escuta de idosos que precisem simplesmente conversar. A equipe foi ampliada para atender a demanda de atendimento, que vai funcionar por 24 horas.

Leia também: Anvisa discute liberar teste rápido para covid-19 em farmácias

A ministra orientou ainda que as pessoas usem o aplicativo do Disque 100 para fazer denúncias de violência doméstica e orientou os usuários a enviarem fotos como forma de comprovar as denúncias. A partir destas provas, será possível adotar medidas protetivas, disse a ministra. Os dados referentes a violência doméstica durante a pandemia estão sendo apurados pelo ministério. “Os números estão nos assustando”, afirmou. “Denunciem todos os tipos de violência contra idoso.”

O ministério planeja investir até dezembro R$ 3,96 bilhões em proteção aos idosos. Serão R$ 1,154 bilhões em investimento em ações de prevenção e atendimento à saúde, R$ 2,64 bilhões em atendimento na rede do Sistema Único de Assistência Social, R$ 8,3 milhões em cestas básicas, kits de higiene e reforço alimentar e R$ 162,3 milhões em benefícios sociais.

Veja também: SP lança plano para testar 18 vezes mais covid-19 que a média brasileira

As medidas incluem ainda a priorização de vacinação contra a gripe para mais de 30 milhões de idosos, orientação para mais de 6 mil instituições de acolhimento e priorização de visitas das equipes de Saúde da Família. De acordo com a ministra, cerca de 2 mil municípios ainda não possuem Conselhos Municipais de Direito da Pessoa Idosa e a meta do governo é que o serviço esteja presente em todos.  A expectativa do ministério é distribuir 8 milhões de cestas e itens de higiene pessoal a 725 ILPIs que atendem 27 mil idosos.