Coronavírus

Saúde Índia deve atrasar entrega de vacinas ao Brasil e mais 2 países

Índia deve atrasar entrega de vacinas ao Brasil e mais 2 países

Jornal indiano disse que Instituto Serum terá de atender demanda interna. Arábia Saudita e Marrocos também não receberão doses

Reuters
  • Saúde | por Reuters | , com R7

Vacinas produzidas pelo Instituto Serum ficarão na Índia

Vacinas produzidas pelo Instituto Serum ficarão na Índia

Omar Sobhani/Reuters

O Instituto Serum, da Índia, avisou ao Brasil, Arábia Saudita e Marrocos que vai atrasar o envio de vacinas contra a covid-19. A fabricante, que produz o imunizante Oxford, justificou o atraso ​​com o aumento da demanda de imunização dos indianos.

O Brasil recebeu 4 milhões de doses compradas no Serum, Arábia Saudita, 3 milhões e Marrocos, 7 milhões, de acordo com o Itamaraty.

De acordo com resposta da Fiocruz, produtora da Oxford no Brasil, ao R7, a Fundação foi comunicada sobre o atraso da importação no começo de março.

"A negociação com a AstraZeneca e o Instituto Serum inclui a aquisição de um total de dez milhões de vacinas importadas. Dois milhões de vacinas foram entregues ao Programa Nacional de Imunizações (PNI/MS), no dia 24 de janeiro. Os oito milhões de doses restantes será importado nos próximos meses, em cronograma ainda a confirmar. A Fundação foi informada, por meio de uma carta em 4 de março sobre o atraso na importação das remessas das vacinas prontas", respondeu a assessoria de imprensa da Fiocruz. 

Nesta tarde, o Ministério da Saúde afirmou em nota que o cumprimento dos prazos previstos  no cronograma de entrega de vacinas depende dos laboratórios fabricantes.

A notícia chega no momento em que a Índia, maior fabricante mundial de vacinas, está sendo criticada internamente por doar ou vender mais doses do que imunizantes aplicados internamente. Mesmo sendo o terceiro país em número de infecções por coronavírus, atrás apenas dos Estados Unidos e do Brasil.

Atualmente, a Índia passa por uma segunda onda de casos e já chega a cerca de 11,6 milhões de infectados.

O anúncio do atraso na entrega foi publicado pelo jornal Times of India, neste domingo (21). A notícia veio à tona dias após o Reino Unido afirmar que teria de diminuir o ritmo da aplicação de vacinas, já que Instituto Serum entregaria mais doses com atraso. Os indianos vão produzir metade das 10 milhões de vacinas encomendadas pela Grã-Bretanha.

O Instituto Serum, maior fabricante de imunizantes do mundo, não quis comentar sobre os atrasos.

Uma fonte da Agência Reuters afirmou que o Instituto trabalha para expandir a produção mensal para 100 milhões de doses até abril/maio. Atualmente a produção varia entre 60 e 70 milhões, o aumento vai melhorar o abastecimento.

Originalmente, o instituto indiano deveria vender vacinas apenas para países de média e baixa renda, principalmente na Ásia e na África. Mas, problemas de produção em outras instalações da AstraZeneca, forçou a farmacêutica a pedir a produção de doses para outros países em nome da empresa britânica.

A Índia doou cerca de 8 milhões de doses de vacinas e vendeu cerca de 52 milhões para 75 países, sendo a maioria da Oxford produzida no Instituto Serum. O País começou a aplicação contra a covid-19 em janeiro e foram dadas 44 milhões de doses.   

Últimas