Eleições 2018
Saúde Insônia e taquicardia? Saiba se você sofre de 'tensão pré-eleitoral'

Insônia e taquicardia? Saiba se você sofre de 'tensão pré-eleitoral'

Ansiedade está mais intensa este ano devido a maior participação na questão política, diz psicóloga da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

Insônia e taquicardia? Saiba se você sofre de tensão pré-eleitoral

Tatiane Fadelli, 25, está com taquicardia por causa da eleição

Tatiane Fadelli, 25, está com taquicardia por causa da eleição

Arquivo Pessoal

A dois dias da eleição, a administradora de empresas, Tatiane Fadelli, 25, está com taquicardia. Já a empresária Danielle Milarski, 44, enfrenta dificuldade para dormir. “Passo o dia pensando nisso, não estou conseguindo desligar”, afirma.

A “tensão pré-eleitoral” este ano está mais intensa em comparação a eleições passadas, segundo a psicóloga Jennifer França, diretora do Departamento de Psicologia da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp).

Leia também: Tentar distrair o cérebro durante crise de ansiedade pode amenizá-la

“Isso se deve a uma maior participação das pessoas na questão política. Quanto mais envolvido politicamente, maior o sofrimento”, explica.

A indefinição sobre como será formado o segundo turno é ainda um ingrediente a mais para elevar a ansiedade. “As pessoas sabem que farão sua parte, mas o resultado depende do coletivo”, diz. “A ansiedade é um medo diante da situação de um futuro incerto. E assim é uma eleição”, completa.

Ela afirma que essa tensão pode afetar a saúde gerando sintomas como taquicardia, agitação, mudança na qualidade do sono, como dificuldade para dormir ou acordando antes da hora, falta ou excesso de fome. “Isso pode se refletir na saúde. A tensão libera hormônios como a adrenalina e o cortisol. A imunidade também pode ficar comprometida, dando espaço a doenças oportunistas, como a gripe. Pessoas com doenças crônicas, como problemas cardiovasculares, por exemplo, devem ficar mais atentas”, diz.

Leia também: Escrever sobre emoções positivas diminui a ansiedade, diz estudo

Um dos motivos de angústia está relacionado à dificuldade de decisão de escolha dos candidatos – nesta eleição terão de ser escolhidos presidente, governador, dois senadores, deputado federal e deputado estadual. “Tenho minha convicção desde o começo, mas ainda não sei se vou votar no que acredito ou de modo estratégico. Nunca vivi isso numa eleição. Vou decidir no último minuto, depois das últimas pesquisas”, diz Danielle.

A psicóloga afirma que, a melhor forma de lidar com esse tipo de angústia é ter “consciência do seu desejo”. “O que você escolher não vai ser decidido necessariamente pelo coletivo, mas você foi honesta consigo mesma”.

Mãe de dois filhos, a empresária afirma que a preocupação com o futuro agrava sua “tensão pré-eleitoral”. “Vejo que a nova geração não vê perspectiva no país e manifesta vontade de morar fora para sempre, algo que não tínhamos na nossa adolescência. Então aumenta a ânsia de que o Brasil melhore a tempo de eles mudarem de ideia”, declara.

Danielle Milarski, 44, gosta de política e não consegue "desligar"

Danielle Milarski, 44, gosta de política e não consegue "desligar"

Arquivo Pessoal

Para atravessar as 48 horas que restam até a urna, a psicóloga usa como comparação o vestibular. Na véspera da prova, a ordem é “relaxar”. “Deixe o título de eleitor e o documento com foto separados, além da colinha com o número dos candidatos, e saia para se distrair”.

Entre os programas recomendados por ela estão atividades ao ar livre, como pedalar no parque, assistir a um filme e brincar com os filhos.

Tatiane já programou seu fim de semana. “Pretendo ficar com meus amigos e me distrair ao máximo. Vou ficar junto de pessoas que têm o mesmo pensamento para me sentir mais confiante”, afirma.

Você vive ansioso? Agenda e organização dos ambientes pode ajudar a combater a ansiedade: 

    Access log