Novo Coronavírus

Saúde Manaus terá hospital de campanha para vítimas da covid-19

Manaus terá hospital de campanha para vítimas da covid-19

Estado tem a maior taxa de incidência (número de infectados por 100 mil habitantes) da doença em todo o país, segundo o Ministério da Saúde

  • Saúde | Do R7

Ministro visitou obras de hospital emergencial no entorno do Distrito Federal

Ministro visitou obras de hospital emergencial no entorno do Distrito Federal

Adriano Machado/Reuters - 11.04.2020

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou neste sábado (11) que a cidade de Manaus vai receber um hospital de campanha para vítimas do coronavírus. Será o segundo desse tipo custeado pela União.

Amazonas é o estado com a maior taxa de incidência de covid-19: 23,3 casos a cada 100 mil habitantes, enquanto a média nacional é de 9,3. 

Existem, no Ministério da Saúde, duas preocupações em relação ao Amazonas. A primeira é que a rede privada de hospitais já está praticamente sem capacidade de receber mais doentes. A rede pública tende a enfrentar a mesma situação em breve.

O segundo motivo de alerta no governo é com a população indígena, que tem menos resistência a infecções virais como é o caso da covid-19, na comparação com outros grupos, que vivem em grandes centros urbanos.

O ministro não falou em prazos, mas o primeiro hospital de campanha montado pela União, em Águas Lindas (GO), teve as obras iniciadas no começo desta semana e deve ficar pronto em 15 dias. Ele e o presidente Jair Bolsonaro visitaram a construção nesta manhã. 

"Amanhã eu já vou dar a ordem para fazer em Manaus. Este aqui é o piloto", falou o ministro a jornalistas logo em seguida.

Mantendo-se o mesmo esquema, a estrutura em Manaus estaria montada no começo de maio.

O hospital de Goiás terá 200 leitos e condições de manter até pacientes que necessitem ser intubados. O custo das obras será de R$ 10 milhões. A previsão inicial é que ele funcione por quatro meses com recursos do governo do estado. 

Até ontem, o Amazonas registrava 981 casos confirmados de covid-19 e 50 mortes. 

Últimas