Mandetta recusa demissão de secretário: 'Vamos sair juntos'

Wanderson de Oliveira, da Vigilância em Saúde, mandou mensagem de despedida para a equipe e apresentou pedido na manhã desta quarta (15)

Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira

Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou que não aceitou a demissão do secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, em entrevista coletiva concedida na tarde desta quarta-feira (15). O secretário, que estava ao lado do ministro, fica no cargo após ter pedido demissão

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

"Entramos no ministério juntos e sairemos do ministério juntos", declarou Mandetta. "Já falei que não aceito [a demissão], Wanderson continua. Nós vamos trabalhar juntos até o momento de sairmos juntos do ministério da Saúde", completou o ministro.

Leia também: Juiz proíbe bancos de aumentarem taxa de juros durante pandemia

Mandetta disse ainda que deixa o ministério em três situações. A primeira é quando o presidente Jair Bolsonaro não quiser mais. A segunda, por razões de saúde. "Isso a gente não pode saber, imagine se eu pego uma gripe dessas e tenho que ser afastado por forças alheias à minha vontade", afirmou. A terceira,   "quando o trabalho feito não precisar mais ser continuado porque passamos por esse estresse". De acordo com o ministro, 'todas essas alternativas continuam e são válidas".

Ao comentar o pedido de demissão recusado pelo ministro, o secretário disse que conheceu Mandetta quando recebeu uma ligação dele em dezembro de 2018. ”Conversamos 40 minutos e parecia que a gente já se conhecia”, afirmou. Em seguida, conheceu o atual secretário-executivo do ministério João Gabbardo, apontado como possível sucessor de Mandetta.

Oliveira ressaltou sua admiração ao ministro. “Aprendi e aprendo todos os dias com ele.” Sobre a possibilidade de deixar o cargo, disse que ninguém é insubstituível e que a equipe da secretaria é forte e robusta. O secretário falou ainda que acompanhará o ministro até o final do trabalho contra a pandemia e que espera conseguir salvar o máximo possível de vidas. Segundo ele, é possível superar a pandemia “fazendo o básico”: lavando as mãos, cobrindo o rosto ao tossir ou espirrar e ficando em casa.

Despedida

Oliveira pediu demissão na manhã desta quarta-feira. A informação foi confirmada pelo Ministério da Saúde, após reportagens relatarem que ele havia se despedido da equipe na iminência da demissão do ministro da Saúde.  Em mensagem aos funcionários do setor, o secretário afirma que "a gestão de Mandetta acabou e preciso me preparar para sair junto".