Coronavírus

Saúde Média diária de mortes por covid no Brasil cai 28% em um mês

Média diária de mortes por covid no Brasil cai 28% em um mês

Ainda assim, patamar acima de 2.000 óbitos por dia é considerado alto por especialistas

  • Saúde | Do R7

Taxa de ocupação de UTIs em alguns estados permanece elevada

Taxa de ocupação de UTIs em alguns estados permanece elevada

Lucas Neves/Enquadrar/Estadão Conteúdo

Em um mês, o Brasil teve um redução de 28% da média móvel das mortes, por dia, em decorrência da covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde. Em 13 de abril, a média de 14 dias atrás era de 2.910 óbitos diários. Este número caiu para 2.090 mortes na última quinta-feira (13).

No pico de falecimentos da pandemia, na semana de 4 a 10 de abril, o país chegou a contabilizar uma média móvel de 3.000 registros diários. Aquele foi o pior mês desde que o coronavírus fez suas primeiras vítimas no Brasil, com 67,9 mil óbitos.

Entre 1º e 13 de maio, o Ministério da Saúde contabilizou 26,6 mil óbitos, redução de 27,8% em relação aos 36,9 mil óbitos acumulados entre o mesmo período do mês passado.

Desde a semana encerrada em 17 de abril, o número de mortes por covid-19 vem caindo, mas ainda permanece em um patamar muito elevado, principalmente se for considerado o número de novos casos por dia, que tem estado em uma média de 60 mil.

"A população está achando que passou, mas olha só a tendência nas últimas 3 semanas. Mais de 2.000 óbitos em média não pode ser considerado normal. Estamos fazendo cavalo de pau [derrapando] à beira do precipício", alerta o ex-secretário nacional de Vigilância em Saúde Wanderson de Oliveira.

O número de novos casos é visto pelos especialistas como um preditor do que pode acontecer, já que as pessoas costumam apresentar quadros mais graves e precisarem de internação em torno de 10 dias após o diagnóstico.

Outro ponto que preocupa pesquisadores é a situação do sistema hospitalar no país. Estados como Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Goiás, Tocantins, Bahia, Piauí, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Sergipe e Rio de Janeiro registram ocupação dos leitos de UTI acima de 90%, segundo boletim semanal do Observatório Covid-19 da Fiocruz.

Outros estados, como São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Alagoas, Amapá, Maranhão, Pará e Espírito Santo estão com ocupação das UTIs entre 67% e 79%. Apenas Acre, Amazonas, Roraima e Paraíba têm uso dos leitos de terapia intensiva abaixo de 60%.

Ontem, o grupo inclusive alertou que uma nova explosão de infecções no Brasil seria "crítica", pontuando justamente a saturação da rede assistencial.

"O número de casos aumentou ligeiramente para uma taxa de 0,3% ao dia, enquanto o número de óbitos foi reduzido a uma taxa diária de -1,7%, mostrando uma tendência de ligeira queda, 'mas ainda não representa uma tendência de contenção da epidemia'", observam os pesquisadores da Fiocruz.

Últimas