Ministério da Saúde tem estoque zerado de EPIs durante pandemia

Pasta está sem máscaras e luvas para dar a profissionais de saúde dias antes do pico esperado do números de casos de covid-19 no país

Estoque de máscaras e luvas para profissionais de saúde está zerado

Estoque de máscaras e luvas para profissionais de saúde está zerado

Gonzalo Fuente/Reuters

Semanas antes do pico esperado do novo coronavírus no Brasil, o Ministério da Saúde está sem estoques de equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas, para distribuir a profissionais de saúde.

A pasta aguarda resultado de negociação com fornecedores do exterior. A expectativa é que a reposição do estoque seja encaminhada ainda na noite desta quinta-feira (2). As informações foram confirmadas pelo Ministério da Saúde ao Estado/Broadcast.

Leia mais: 'Só comemoro produto recebido', diz Mandetta sobre insumos médicos

O governo já distribuiu cerca de 40 milhões de itens de proteção aos Estados. A expectativa é conseguir outros 720 milhões de produtos, sendo 200 milhões de máscaras, mas ainda não há resultado das negociações.

Segundo secretários estaduais ouvidos pela reportagem, há regiões com mais e menos estoques, mas o ministério tem feito entregas até agora de equipamentos de proteção. Um pedido dos gestores do SUS é para usar aviões, inclusive da FAB (Força Aérea Brasileira), para agilizar o envio dos produtos.

Veja também: Procon de SP registra mais de 8 mil reclamações após pandemia

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), disse na quarta-feira (1º), que contratos do governo brasileiro com empresas da China para compras de equipamentos foram desfeitos após os Estados Unidos enviarem mais de 20 aviões cargueiros para adquirir os mesmos itens. "As nossas compras, que tínhamos expectativa de concretizar para poder abastecer, muitas caíram", disse Mandetta.

Mandetta disse que o cenário para compras é inseguro. "Eu só acredito na hora que estiver dentro do País, na minha mão. Às vezes o colapso é: você tem dinheiro, mas não tem o produto."

Leia ainda: Profissionais de saúde registram 855 denúncias em SP por falta de EPIs

O ministro da Saúde traçou um cenário de extrema dificuldade para aquisição de insumos básicos de proteção e recomendou à população que pare de comprar máscaras descartáveis e faça a sua própria peça de proteção, com pano e elástico. "Hoje, nós estamos muito preocupados com a regularização de estoque desses equipamentos", disse Mandetta.

Como o jornal O Estado de S. Paulo mostrou, representantes da indústria dizem já ter alertado o governo federal a apresentar logo a sua proposta ao mercado - caso contrário, poderá ficar para trás na corrida global por produtos contra a pandemia.

A indústria brasileira tem tentado aproveitar a queda de casos na China para importar de lá produtos hospitalares. "Claro que vamos disputar isso com Europa, EUA e outros países", disse ao Estado o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo), Franco Pallamolla.

Veja mais: Funcionários são flagrados sem máscaras em hospitais de SP

Respiradores

O governo fechou a compra de 15 mil respiradores do tipo "pulmonar microprocessado com capacidade de ventilar pacientes adultos e pediátricos". A compra custou R$ 1,014 bilhão e a fornecedora é a "Santos-Produtos do Brasil (Macau) Companhia de Investimento e de Comércio LDA", segundo a publicação no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira.