Coronavírus

Saúde Ministério recebe relatório que permite ampliar validade de testes

Ministério recebe relatório que permite ampliar validade de testes

Ampliação depende do aval da Anvisa; Informação foi dada durante audiência pública para prestar esclarecimentos sobre exames RT-PCR estocados

  • Saúde | Do R7

Fabricante coreana atesta extensão do prazo de validade dos testes RT-PCR em estoque

Fabricante coreana atesta extensão do prazo de validade dos testes RT-PCR em estoque

Amanda Perobelli/Reuters - 15.10.2020

O Ministério da Saúde recebeu, na manhã desta quinta-feira (25), devolutiva da fabricante coreana Seegene atestando a extensão, por período adicional de 4 meses, da validade dos testes dos cerca de 7 milhões de kits estocados no Centro de Distribuição da pasta, em Guarulhos.

A informação foi dada pelo secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Arnaldo Medeiros, que participou de audiência pública junto com o diretor do Departamento de Logística, Roberto Ferreira Dias, para prestar esclarecimentos a parlamentares sobre testes RT-PCR cujos prazos de validade cartorial datam entre dezembro deste ano e março de 2021.

Leia mais: Testes de covid-19 podem ter validade prorrogada, diz ministério

O relatório da empresa fornecedora deverá ser encaminhado à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para avaliação técnica sobre a aplicação do prazo estendido aos insumos em caráter de urgência.

Medeiros frisou, na audiência pública, que o Ministério da Saúde acompanha com atenção e cuidados todos os prazos de insumos adquiridos para combate à pandemia. 

Segundo linha do tempo levada por ele aos deputados, o estudo de estabilidade das amostras para extensão da validade cujo resultado foi enviado hoje à pasta foi solicitado ainda em 3 de novembro, após alerta de que algumas amostras poderiam perder os prazos.

O procedimento é padrão para produtos médicos e hospitalares e visa garantir a segurança e a qualidade dos insumos para além da data estipulada pela fabricante, sem prejuízo de eficácia.

Conforme os dados, dos 7.077.900 testes armazenados que estão para vencer, cerca de 2,8 milhões possuem prazo para dezembro deste ano. Os outros dividem-se entre janeiro, fevereiro e março do ano que vem.

Na apresentação, o secretário também informou que, embora as datas de validade estampadas nas embalagens dos produtos acusem a proximidade do vencimento, os componentes dos kits apresentam datas diferentes de validade, que variam de outubro de 2021 a 2023. “O teste não é feito pela caixa. E sim pelos componentes”, frisou o secretário, ao expor a divergência de prazos aos presentes.

Leia mais: Congresso quer ouvir ministro da Saúde sobre testes de covid parados

Aos deputados da comissão que acompanha o enfrentamento à pandemia na Câmara dos Deputados, o chefe da SVS expôs detalhes da estratégia de testagem da população - o Diagnosticar para Cuidar, lançado em junho passado - e abriu os números das aquisições de kits de amostras.

Ao todo, o Ministério da Saúde adquiriu 23.546.576 testes moleculares para detecção da covid-19, dos quais 15.895.160 foram entregues.

Os mais de 7,6 milhões excedentes, resultantes de uma compra junto à Fiocruz/ Biomanguinhos, não foram produzidos até o momento porque, segundo o secretário, houve uma avaliação, em junho, época da entrega, de que a estratégia de testagem em andamento não absorveria, naquele momento, o quantitativo total. Essa parcela de kits segue à disposição do Ministério para distribuição em momento oportuno, conforme a demanda dos estados e municípios.

Diagnosticar para cuidar

Em junho passado, o Ministério da Saúde lançou o programa Diagnosticar para Cuidar, de ampliação das testagens entre a população e mobilização pelo diagnóstico precoce. A estratégia de vigilância laboratorial se divide em dois braços, sendo que os testes RT-PCR compõem uma delas e os testes sorológicos a outra.

Leia mais: Covid-19: entenda a diferença entre o teste rápido e o 'padrão ouro'

Desde sua implementação, o programa expandiu a testagem para unidades sentinelas, Centros de Atendimento à covid-19 e demais serviços de saúde, a fim de ampliar o acesso do cidadão aos testes mesmos nos primeiros sintomas de síndrome gripal.

As amostras são processadas com apoio dos Lacens (Laboratório Central de Saúde Pública)nos estados e das quatro plataformas de alta testagem, além de 14 miniplataformas espalhadas pelo Brasil que permitiram acelerar a análise dos resultados.

Últimas